Rússia já trabalha na preparação da Copa de 2018

17/08/2014

A promessa dos organizadores é que até 2017 todos os 12 estádios nas 11 sedes serão entregues

A Rússia, sede da Copa de 2018, já trabalha duro para ter a sua estrutura pronta um ano antes do torneio. Dois estádios, em Sochi e Kazan, estão prontos. A arena do Spartak será inaugurada no próximo dia cinco de setembro. A promessa dos organizadores é que até 2017, na Copa das Confederações, todos os 12 estádios nas 11 sedes serão entregues.

Com orçamento previsto de US$ 20 bilhões (50% verba federal e 50% de recursos privados), o objetivo é expandir a rede de trens de alta velocidade para ligar as cidades. As distâncias são consideráveis, seis das sedes estão localizadas a mais de mil quilômetros de distância de Moscou. Sochi, que recebeu este ano os Jogos Olímpicos de Inverno, está a 1.679km da capital. Para amenizar o impacto dos deslocamentos, será feita uma divisão em quatro regiões geográficas.

Cada sede receberá, no mínimo, quatro, e no máximo seis, jogos. A primeira partida e a final acontecerão no estádio Luzhniki, que recebeu as cerimônias de abertura e encerramento da Olimpíada de 1980, e que agora está sendo reformado.  Para que tudo funcione bem, uma delegação russa está no Brasil observando todos os detalhes da Copa de 2014. No Rio, a casa da Rússia foi montada no Museu de Arte Moderna, no Aterro do Flamengo. O CEO do Comitê Organizador 2018, Alexey Sorokin, falou sobre os preparativos.

Confira a entrevista:

Gaúcha - O Brasil sofreu com atraso nas obras da Copa, mas no fim deu tudo certo. Na Rússia as obras estão dentro do prazo?

Sorokin - Já temos prontos dois estádios. Aeroportos, ônibus, rodovias e trens tem boas condições. Vai ficar tudo pronto, não tenho nenhuma dúvida.

Gaúcha - Tem casos recentes de racismo em estádios da Russia. O Zenit já teve problema com isso. Como vocês vão lidar com esta situação?

Sorokin -Criamos um programa para acabar com o racismo nas arenas. Não vamos tolerar comportamentos inadequados. A Copa de 2018 será inclusiva e não discriminatória. Quem errar, será banido dos estádios. Estamos muito empenhados nisso.

Gaúcha - No Brasil se discutiu muito a questão do legado. O que vai ficar para o país depois de 2018?

Sorokin - Teremos aquele legado que dá para ver e tocar, como estádios, aeroportos, estradas e trens. Mas vamos trabalhar muito para ter o legado humano. Queremos deixar esta marca. O presidente Vladimir Putin será um grande anfitrião, assim como foi em Sochi.

Gaúcha - Vocês temem risco de protestos?

Sorokin - Temos índices de aprovação superiores a 70%. Quem for para a Rússia não vai se arrepender. Cidades lindas, um povo receptivo. Estamos trabalhando para aumentar o numero de pessoas que falam inglês. Vai ser inesquecível.

Gaúcha - O desempenho da Rússia nesta Copa foi fraco (caiu na primeira fase). Isso preocupa?

Sorokin - Não é minha área, mas confio muito no Fabio Capello. Temos bons valores. Acho que em 2018 será diferente. Todos esperam uma grande campanha.

SEDES RUSSAS

MOSCOU - Estádio Luzhniki (89.318) Estádio Spartak (46.990)

SÓCHI - Estádio Olímpico (47.659)

SÃO PETERSBURGO - Estádio Zenit (69.501)

VOLGOGRADO - Estádio Volgograd (45.015)

ECATERIMBURGO - Estádio Central (44.130)

KAZAN - Estádio Rubin (60.000)

NOVGOROD - Estádio Nizhny (44.889)

ROSTOV - Estádio Rostov Don (43.702)

KALININGRADO - Estádio Kaliningrado (45.015)

SAMARA - Estádio Samara (44.198)

SARANSK - Estádio Saransk (45.015)



Dunga: a expectativa pela Seleção jogar para reconquistar a confiança do torcedor




Cavalarianos recebem centelhas da Chama Crioula em Cruz Alta, RS

Cerimônia em Cruz Alta marcou distribuição da Chama Crioula (Foto: Giovani Grizotti/RBS TV)

17/08/2014

Mais de mil cavalarianos participaram da cerimônia neste sábado (16).
Chama será levada para 30 Regiões Tradicionalistas do estado.

Estão abertos os festejos farroupilhas no Rio Grande do Sul. A chama crioula, maior símbolo da tradição gaúcha, foi distribuída neste sábado (16) em Cruz Alta, na Região Noroeste. Agora, as centelhas serão levadas por cavalarianos para diferentes regiões do estado. 

Representantes das 30 Regiões Tradicionalistas foram até Cruz Alta buscar a centelha. E sem muito demora já iniciam a viagem de volta. O aposentado João Azambuja era um dos que já preparavam o cavalo para uma longa jornada de 400 quilômetros até Porto Alegre.

"Assim como nós nos cuidamos ao botar um calçado para não ter pedra, as encilhas também não podem ter terra, porque machuca o lombo do cavalo", explicou. 

A turma de Mata, no Centro do estado, também foi a Cruz Alta buscar uma centelha. Nos 11 dias de viagem a cavalo, vão dormir em um caminhão. "Chega no local, almoça e sai no outro dia cedo", conta o funcionário público Leomar Maurer.

Os dois garnisés substituem o despertador às 4h da madrugada. "O momento em que eles começam a cantar, é hora da gente levantar e começar o café, o chimarrão, cedo da manhã", diz o orientador agrícola, Vandori Reffil.

A distribuição da chama ocorreu no Parque de Exposições de Cruz Alta. Um desfile de carros temáticos contou a história do povo missioneiro. Mais de mil cavalarianos participaram da solenidade. "A Chama Crioula representa o sentimento nativista do gaúcho. Ela, de alguma forma, é a alma do gaúcho transformada em fogo. E que nós nos orgulhamos", disse o presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), Manoelito Savaris.

Em Porto Alegre, a Chama deve chegar no dia 24, onde parmanece até o dia 7 de setembro na sede de 1ª Região Tradicionalista. Nesse dia, se fundirá ao Fogo Simbólico da Pátria, seguindo até o Acampamento Farroupilha, no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho.

Fonte: G1


Arena-2018 apresenta manual de exigências para as cidades-sede

© LOC

17/08/2014

Arena-2018 apresenta manual de exigências para as cidades-sede

A Arena-2018, em cooperação com o Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo da FIFA Rússia 2018, apresentou às cidades-sedes o Manual de Requisitos para os Estádios, um documento que definirá as bases dos projetos e da construção das arenas que serão utilizadas no torneio.

O seminário, realizado entre os dias 23 e 24 de julho, teve a participação de mais de 60 especialistas das empresas envolvidas nos projetos e na construção de todos os 12 estádios a serem utilizados no Mundial de 2018, além de representantes de ministérios e departamentos regionais e de consultores internacionais especializados em operações nas arenas.

O manual de estádios da Copa do Mundo da FIFA 2018 foi elaborado pela organização que dirige o futebol mundial em parceria com a Arena-2018 e conta com os últimos requisitos estruturais da FIFA para as arenas do torneio na Rússia, os quais foram definidos a partir de experiências prévias adquiridas em outras edições do Mundial. A primeira versão do documento foi publicada no primeiro semestre de 2013. Já a versão final e expandida será publicada em 2014, com uma antecedência recorde nos trabalhos prévios a uma Copa do Mundo da FIFA.

Os participantes do seminário ressaltaram a necessidade de uma maior atenção aos programas que tratam do legado dos estádios da competição. “Como organizações autorizadas a preparar e organizar o Mundial, o COL e a Arena-2018 têm o interesse, antes de tudo, de garantir que os estádios construídos para a competição estejam de acordo com os requisitos da FIFA“, observou o CEO do COL da Copa do Mundo da FIFA Rússia 2018, Alexey Sorokin. “Contudo, o êxito da Copa do Mundo na Rússia dependerá não apenas de uma organização bem feita, mas também da eficácia das instalações utilizadas no torneio após o mesmo. E a experiência internacional comprova que é justamente agora, na fase de projetos, que devemos nos certificar de que os estádios sejam polivalentes.”

Na apresentação do novo manual, os organizadores também delinearam os princípios básicos dos projetos, da construção e do uso dos estádios do Mundial de 2018 para certificar-se de que cumpram com as exigências para um desenvolvimento sustentável. Tais princípios abrangem áreas como o consumo de energia, meios de transporte respeitosos com o meio ambiente, o cumprimento de requisitos e padrões ambientais e a necessidade de garantir que os estádios estejam integrados, de maneira adequada, às cidades nas quais se encontrem.

Especialistas internacionais de dois grandes estádios europeus – o inglês Wembley e o holandês Amsterdam Arena – compartilharam as experiências adquiridas no projeto, na construção e na utilização destes. O seminário também contou com a participação do diretor da empresa brasileira Arena, Carlos de la Corte, que contou como questões parecidas foram resolvidas durante a construção dos estádios da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014.

A Arena-2018 expandirá a cooperação com os proprietários dos estádios utilizados no Mundial de 2018, organizando mais seminários sobre projeto e construção de arenas – muitos serão realizados até o fim deste ano. Em outubro, a Arena-2018, em cooperação com especialistas da FIFA, fará visitas de inspeção a vários estádios do Mundial na Rússia como parte do processo de monitoração.

A Arena-2018 foi fundada pelo COL do Mundial de 2018 em abril de 2012. A tarefa principal da organização é monitorar os projetos, a construção e a reconstrução dos estádios, e assegurar que todos os prazos sejam cumpridos e que as exigências da FIFA sejam atendidas.

As partidas da Copa do Mundo da FIFA Rússia 2018 serão realizadas em 11 cidades-sede e 12 estádios: Moscou (Lujniki e Estádio do Spartak de Moscou), São Petersburgo, Kaliningrado, Kazan, Níjni Novgorod, Samara, Saransk, Volgogrado, Rostov do Don, Sóchi e Ecaterimburgo.

Fonte: FIFA


Dunga e Gilmar Rinaldi viajam para acompanhar Seleção Sub-20

Foto: Divulgação / CBF

14/08/2014

O técnico da Seleção Brasileira, Dunga, e o coordenador de Seleções, Gilmar Rinaldi, viajam nesta quarta-feira para a Espanha. No país europeu, a dupla acompanhará a equipe Sub-20 do Brasil na disputa do Torneio de Cotif.

A Seleção Sub-20 estreou na competição na última terça-feira. O resultado da partida foi um empate em 1 a 1 com o Qatar. Dunga e Gilmar assistirão aos duelos contra Equador, China e Valência, time espanhol da cidade sede da competição.

No dia 18 de agosto, Dunga e Gilmar Rinaldi regressam ao Brasil e no dia seguinte têm um compromisso muito importante. No dia 19 será realizada a convocação da Seleção Brasileira para os amistosos dos Estados Unidos, contra Colômbia e Equador, respectivamente. O evento está marcado para as 11h30 na sede da CBF (Avenida Luiz Carlos Prestes,130 - Barra da Tijuca).

Fonte: CBF


RS teve 52 cidades visitadas por estrangeiros da Copa

14/08/2014

O estado foi o terceiro do país em número de cidades visitadas. Os destaques foram Porto Alegre, Gramado, Torres e Novo Hamburgo

Além da cidade-sede Porto Alegre, outros 51 municípios gaúchos foram visitados por turistas estrangeiros durante a Copa do Mundo, conforme pesquisa do Ministério do Turismo, em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O Rio Grande do Sul foi o terceiro do país em número de cidades visitadas.

As quatro cidades mais procuradas pelos visitantes internacionais foram a capital gaúcha, Gramado, Torres e Novo Hamburgo. A pesquisa ouviu 10.513 pessoas em 12 aeroportos e 10 fronteiras terrestres brasileiras (cinco delas no RS).

O Rio Grande do Sul, assim como o Paraná, foi porta de entrada dos estrangeiros que viajaram ao Brasil por via terrestre, foram cerca de 15,4% dos visitantes. Desse percentual, 52,9% utilizaram o carro como meio de transporte, outros 24,2% usaram as linhas de ônibus regular e 10,3% ônibus urbanos regulares.

Porto Alegre foi a oitava cidade brasileira mais visitada pelos turistas internacionais com 11,1%. O Rio de Janeiro ficou em primeiro lugar com 70,7% e São Paulo em segundo com 43,3%.

Os estrangeiros que estiveram no país durante o Mundial, citaram 479 cidades brasileiras, além das 12 cidades-sedes da competição (total de 491). O principal meio de hospedagem foram os hotéis, flats ou pousadas, com 49% das preferências, seguido pela casa de amigos e parentes (15,1%) e imóveis alugados (11,9%). 

O índice de satisfação com a infraestrutura da cidade ficou acima de 90% em setores como segurança pública, serviço de táxi, limpeza e transporte. Itens como hospitalidade, diversão noturna, gastronomia e restaurantes também receberam avaliações positivas acima de 92%. Pelo menos 95% dos estrangeiros disseram que tem intenção de retornar ao Brasil.  

A movimentação de brasileiros também foi grande no país, conforme revela pesquisa do Ministério do Turismo a em parceria com a Fundação Getúlio Vargas. O Rio Grande do Sul foi o décimo estado que mais emitiu viajantes para outros estados do país. Ao todo foram 113.208 gaúchos sendo 85.534 com perfil de turistas, por pernoitarem no local de destino, e outros 27.674 excursionistas, que viajaram para assistir ao jogo e retornaram ao destino de origem no mesmo dia. 

Entre os turistas nacionais que foram a Porto Alegre para assistir às partidas do Mundial, mais da metade (59,2%) era do próprio estado. Outros 12,7% vieram de Santa Catarina, 9,6% de São Paulo e 6,6% do Rio de Janeiro. Pelo menos 34,2% dos turistas domésticos usaram o carro como meio de transporte e 28,1% viajaram de avião. Ainda 32% usaram linhas regulares de ônibus. Já o meio de hospedagem mais usado dos brasileiros foi a casa de parentes e amigos com quase 61% das preferências.

Os turistas nacionais também avaliaram a infraestrutura turística de Porto Alegre. O estádio recebeu o maior índice de aprovação (96,6%), seguido pelo atendimento e receptividade (94,3%). A infraestrutura geral do aeroporto, as opções de hospedagem e o acesso aos estádios também receberam avaliações positivas acima de 92%. 



Eterno 7 a 1: Brasil é 7º no ranking da Fifa, e Alemanha é a 1ª

Schurrle comemora o sexto gol da Alemanha contra o Brasil
Foto: Getty

14/08/2014

Cerca de um mês depois do 7 a 1, Alemanha é a 1ª, e Brasil é o 7º

Os números "7" e "1" seguem fortes na memória de brasileiros e alemães. Nesta quinta-feira, a Fifa divulgou a nova atualização de seu ranking, com a Alemanha na 1ª colocação, e o Brasil na 7ª. Curiosamente, há certa de um mês, os germânicos goleavam a equipe de Luiz Felipe Scolari por 7 a 1, no Mineirão, pela semifinal da Copa do Mundo.

Nas primeiras posições, não houve muitas mudanças. Vice-campeã do mundo na Copa 2014, a Argentina é vice-líder, com a Holanda (bronze na Copa) completando o pódio.

Colômbia, Bélgica, Uruguai, Espanha, Brasil, Suíça e França fecham o top 10.

Brasileiros e espanhóis, inclusive, estão empatados em 7º, com 1241 pontos.

Entre as equipes menores, a Costa Rica, sensação do Mundial, foi quem apresentou a maior evolução. A equipe da América Central, que foi até as quartas da Copa, chegaram à 15ª posição, a melhor colocação desde que a Fifa introduziu seu ranking de seleções, em 1993.

A equipe que subiu o maior número de degraus, por sua vez, foi a seleção do Lesotho, que, com bons resultados nas eliminatórias para a Copa Africana de Nações, chegou à 105ª posição na lista, subindo 26 posições.

A próxima atualização do ranking da Fifa será publicada em 18 de setembro.

Veja o top 10 da Fifa:

1. Alemanha - 1736 pontos
2. Argentina - 1604 pontos
3. Holanda - 1507 pontos
4. Colômbia - 1495 pontos
5. Bélgica - 1407 pontos
6. Uruguai - 1306 pontos
7. Espanha - 1241 pontos
7. Brasil - 1241 pontos
9. Suíça - 1218 pontos
10. França - 1212 pontos

Fonte: ESPN


Latam elogia Copa e tem lucro de US$ 15 milhões no 2ºT de 2014



14/08/2014

O Grupo Latam anunciou nesta terça-feira, dia 12,seus resultados financeiros consolidados para o segundo trimestre findo em 30 de junho de 2014.No segundo trimestre do ano, o Grupo  registrou lucro operacional de US$ 15,4 milhões (R$ 34,3 milhões) e margem operacional de 0,5%, representando um aumento de 0,8 p.p. em relação ao mesmo período do ano anterior. Os resultados do trimestre foram impactados negativamente pela menor demanda de passageiros e cargo durante a Copa do Mundo de futebol no Brasil, e também pela fraca safra de grãos para exportação, que impactou o negócio de cargas.  

A Companhia destacou-se pela gestão de operações durante a Copa do Mundo no Brasil. "Estamos satisfeitos com o nosso desempenho neste período desafiador, durante o qual transportamos quase 3 milhões de passageiros no mercado doméstico contando com mais de 1,1 mil voos domésticos e internacionais adicionais, mantendo a excelência no atendimento aos nossos clientes, que se refletiu na taxa de 95% de partidas sem atraso", disse a Latam através de um comunicado.

O Grupo estima que o impacto do evento esportivo sobre a margem operacional – tanto em operações domésticas quanto internacionais – tenha sido entre US$ 140 milhões (R$ 312 milhões) e US$ 160 milhões (R$ 357 milhões) entre junho e julho, sendo cerca de US$ 30 milhões (R$ 67 milhões) no mês de junho e a maior parte do impacto concentrada no mês de julho. 

“Os importantes investimentos realizados em infraestrutura no Brasil anteriormente à Copa do Mundo, especialmente aeroportuária, deixarão um legado de impacto bastante positivo para o contínuo desenvolvimento do setor aéreo brasileiro”, destacou o diretor presidente do Grupo Latam Airlines, Enrique Cueto. “A mudança da Tam para o Terminal 3 do Aeroporto de Guarulhos e para o Pier 2 no aeroporto de Brasília nos permitirá continuar melhorando a conectividade através desses hubs, além de melhorarmos o desempenho de partidas sem atraso”, completou. 




Copa na Argentina e no Uruguai está "bastante avançada", diz Conmebol

Juan Angel Napout, presidente da Conmebol (Foto: Daniel Mundim)

14/08/2014

Paraguaio Juan Napout, que assumiu cargo há uma semana, está confiante para o Mundial de 2030 e promete mais rigor disciplinar nas competições da entidade

A Copa do Mundo retornará para a América do Sul em 2030. Pelo menos é o que espera o novo presidente da Conmebol, o paraguaio Juan Angel Napout. Durante evento da entidade para a final da Libertadores entre San Lorenzo e Nacional-PAR, o dirigente confirmou que está trabalhando para garantir que o Mundial retorne ao continente daqui 16 anos. Uruguai e Argentina seriam as sedes, em celebração aos 100 anos do torneio, que teve sua primeira edição em solo uruguaio.

Quando vivo, o ex-presidente da Associação Argentina de Fuebol (AFA), Julio Grondona, já havia garantido que o a Fifa organizaria a Copa de 2030 nos dois países. O paraguaio Napout assegura que manterá os esforços para que argentinos e uruguaios recebam a Copa e diz que ao menos a candidatura está encaminhada.

- Temos que falar tanto com a AFA como com a AUF (Associação Uruguaia de Futebol). Temos um trabalho permanente, temos que falar com eles, e também temos que ver em que situação isso está. Mas a América do Sul quer a Copa de 2030. Está bastante avançado, mas temos que ver dentro da Fifa, tem dois mundiais pela frente, 2018 na Rússia e 2022 no Qatar, e ainda é preciso decidir os candidatos de 2026. Ainda há muito que se decidir antes. Mas é a nossa meta – garantiu Napout.

Em bom português, o ex-presidente da Associação Paraguaia de Futebol garante boa relação com a CBF e contato constante com Marco Polo del Nero e José Maria Marin. Com menos de uma semana no comando da Conmebol, Napout procura não fazer grandes mudanças, já que está interinamente no cargo até março de 2015.

O calendário foi um tema bastante abordado. Com a Copa América no próximo ano, provavelmente a final da Libertadores acontecerá no segundo semestre, após um mês de pausa, como houve em 2014 com a Copa do Mundo. Entretanto, Napout espera fazer ao menos uma alteração: o fim das prorrogações nos jogos da Copa América. O paraguaio também promete uma postura mais rígida da Comissão Disciplinar da entidade.




Jogos espetaculares e invasão estrangeira: Porto Alegre viveu "conto de fadas" de 15 dias

A invasão holandesa no "caminho do gol" foi um dos momentos mais marcantes da Copa em Porto Alegre
Foto: Félix Zucco  / Agencia RBS

14/08/2014 

Rodrigo Oliveira fala sobre a qualidade das partidas e confraternização entre milhares de pessoas de diversos países

Porto Alegre viveu um conto de fadas de 15 dias. Mesmo os mais céticos em relação à Copa do Mundo se sensibilizaram com a "invasão estrangeira", os jogos espetaculares no Beira-Rio e o ambiente mágico proporcionado por turistas e porto-alegrenses na grande festa que envolveu a Copa na Capital.

Quando fui incumbido de fazer a cobertura do Mundial em Porto Alegre, fiquei muito feliz. Afinal, era um evento histórico para nossa cidade. Mas o evento me surpreendeu positivamente em todos os quesitos. Esperava black blocs, manifestações, confrontos e o risco de uma mancha no que tinha tudo para ser brilhante. Que nada. Até os mais raivosos parecem ter sido contagiados por este conto de fadas.

A invasão holandesa no "caminho do gol", a (melodia da música) Aquarela do Brasil cantada pelos gringos, a alegria nigeriana, a simpatia argelina, a elegância francesa, a educação sul-coreana, a alegria hondurenha e a irreverência australiana contagiaram Porto Alegre. Mas nada se compara ao dia em que a cidade aparentava ter mais argentinos do que Buenos Aires. Os gaúchos se confraternizaram de forma única com os estrangeiros. A Cidade Baixa e as casas noturnas da capital nos passavam a ideia de que vivíamos em um mundo sem fronteiras. Na verdade, foi o que vivemos durante 15 dias.

O estádio Beira-Rio, tema de tantas polêmicas ao longo de sete anos (parceria com empreiteira, estruturas temporárias, retirada do entulho), aprovou nos cinco jogos da Copa. A facilidade de acesso, a presença de bastante espaço físico, a organização dos funcionários e a qualidade do gramado tornaram o estádio colorado plenamente capaz de sediar um Mundial.

Mas poucas coisas foram tão boas como a qualidade dos jogos. França 3 X 0 Honduras teve o primeiro gol tecnológico da história das Copas. Austrália 2 X 3 Holanda teve provavelmente o gol mais bonito do Mundial, anotado pelo australiano Tim Cahill. Coreia do Sul 2 X 4 Argélia tinha tudo para ser o pior jogo e acabou sendo um dos melhores. Nigéria 2 X 3 Argentina teve a melhor atuação de Messi na história das Copas. Alemanha 2 X 1 Argélia foi parar na prorrogação e quase os simpáticos argelinos surpreenderam os futuros campeões.

Festa bonita e jogos sensacionais. Belos elementos de um conto de fadas com final feliz.



Militar da FAB recebe homenagem pelo trabalho realizado durante a Copa

Coronel Bertolino recebe homenagem - Foto:  Ten Simone / COMAR IV

13/08/2014

Homenagem aconteceu na abertura da 11ª edição da LABACE, feira de aviação que acontece em São Paulo

O Coronel Ary Rodrigues Bertolino, chefe do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), foi homenageado pela Associação Brasileira de Aviação Geral (ABAG) nesta terça-feira (12/8) durante a abertura da 11ª edição da LABACE - Latin American Business Aviation Conference & Exhibition -, a segunda maior feira de aviação geral do mundo, que acontece em São Paulo (SP). A homenagem foi um reconhecimento pelo trabalho realizado durante a Copa do Mundo.

Durante a abertura, o tema também foi tratado em uma apresentação do Coronel Luiz Ricardo de Souza Nascimento, do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). "Operamos com plena segurança e coordenação com diversos órgãos durante todo o evento", ressaltou o Coronel Luiz Ricardo, ao lembrar que o Aeroporto do Galeão, no Rio Janeiro, possui uma média de 370 movimentos aéreos por dia e, na Copa, chegou a registrar 852 movimentos. A palestra também abordou as expectativas para os Jogos Olímpicos de 2016.

"A mentalidade com que a Força Aérea se coloca diante do país é um modal que integra o Brasil", destacou o Ministro da Secretaria da Aviação Civil (SAC), Moreira Franco. Ele também citou que foi infra-estrutura aeroportuária também foi decisiva para o planejamento de tráfego aéreo da FAB.

A abertura da LABACE evento contou ainda com a presença do Diretor-Presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Marcelo Guaranys; do Diretor-Geral do DECEA, Tenente-Brigadeiro do Ar Rafael Rodrigues Filho; e do Comandante do Quarto Comando Aéreo Regional (COMAR IV), Major-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno.

A LABACE acontece até 14 de agosto no Aeroporto de Congonhas e é necessário credenciamento para participar. Mais informações no site www.abag.org.br/labace2014



Refis da Copa oferece condições vantajosas para quitar dívidas

13/08/2014

Elaine Christina diz que medida 
atende a uma antiga demanda 
dos contribuintes
Foto: Moore Stephens /JC
As empresas que quiserem renegociar suas dívidas com a União podem lançar mão do Programa de Refinanciamento das Dívidas Tributárias com a União (Refis) instituído pela Lei 12.996/14, conhecido como Refis da Copa.

A legislação reabriu o prazo de adesão ao parcelamento da Lei 11.941/09 – o Refis da Crise – até o dia 25 de agosto de 2014, mas em condições diferenciadas, atendendo por exemplo, a uma antiga reivindicação dos contribuintes, de forma a possibilitar o parcelamento de dívidas vencidas até 31 de dezembro de 2013.

Além disso, o Refis da Copa traz maior segurança à União, a partir do momento em que prevê o pagamento inicial de 10% ou 20% da dívida em até cinco vezes e ao contribuinte quando estabelece redutores da dívida.

Segundo a diretora de Tributos da Moore Stephens, Elaine Christina Gomes, “a reabertura do Refis possibilita que os empresários regularizem suas dívidas tributárias em condições vantajosas se comparadas com as regras vigentes para a sua quitação sem a existência de um parcelamento especial”.

JC Contabilidade – Quais as diferenças entre o antigo Refis da Crise e o atual Refis da Copa?

Elaine Christina Gomes – O denominado “Refis da Crise” foi instituído pela Lei 11.941/09. O seu prazo de adesão foi reaberto por três ocasiões, a saber: Lei 12.865/13 através de seu art. 17 se findando em 31 de dezembro de 2013 e, através da Lei 12.973/14 (resultado da conversão da MP 627/13) que finalizou em 31 de julho de 2014. As citadas leis ao preverem a reabertura do parcelamento especial contido na Lei 11.941/09 mantiveram as mesmas condições (modalidades e descontos) previstas em 2009, de modo que os débitos parceláveis eram compostos por dívidas vencidas até novembro de 2008 e desde que não tivessem sido objeto do referido parcelamento, anteriormente; excluindo dessa forma, parcelamentos rescindidos ou migrados da Lei 11.941/09. Por sua vez, a Lei 12.996/14 conhecida como “Refis da Copa”, também reabriu o prazo de adesão ao parcelamento da Lei 11.941/09 até o próximo dia 25 de agosto de 2014, mas em condições diferenciadas, atendendo por exemplo, a uma antiga reivindicação dos contribuintes, de forma a possibilitar o parcelamento de dívidas vencidas até 31 de dezembro de 2013.

Contabilidade – Que benefícios a reabertura do Refis traz aos empresários?

Elaine – A reabertura do Refis possibilita que os empresários regularizem suas dívidas tributárias em condições vantajosas se comparadas com as regras vigentes para a sua quitação sem a existência de um parcelamento especial. Ademais, possibilitará a emissão de Certidão Conjunta Positiva com Efeitos de Negativa relativos a Tributos Federais e à Dívida Ativa da União, atestando assim a sua regularidade fiscal.

Contabilidade – Quando vale a pena reparcelar os débitos tributários?

Elaine - O Refis da Copa é o único parcelamento especial com prazo ainda em aberto e as condições previstas são atrativas, via de regra, a todos os contribuintes. O reparcelamento de débitos tributários deve ser avaliado em cada empresa, levando-se em conta os cenários existentes em cada uma delas, ponderando o fato de que a empresa deverá suportar logo de cara com o pagamento de uma entrada (antecipação).

Contabilidade – O Refis traz condições especiais. Quais são elas?

Elaine - O Refis prevê diversas condições especiais, como parcela mínima e entrada previstas. O Refis da Copa também difere do Refis da Crise por não desigualar se o débito foi ou não objetode parcelamento anterior e possibilita o uso de depósitos judiciais para reduzir os débitos em discussão, bem como a amortização da dívida com créditos fiscais próprios (Prejuízo Fiscal e Base Negativa de CSLL) apurados até 31 de dezembro de 2013; no Refis da Crise, diferentemente, só poderiam ser utilizados Prejuízo Fiscal e Base Negativa de CSLL apurados até o fim de 2008. Por fim, no Refis da Copa se exige o pagamento antecipado de parte da dívida (percentuais variados de acordo com o montante da dívida a ser parcelada), podendo ser pago em até cinco parcelas iguais e sucessivas, a partir do mês de parcelamento.

Contabilidade – Como os empresários fazem para integrar o Refis?

Elaine – A Receita Federal já disponibilizou no Portal eCAC, o aplicativo para adesão ao Refis da Copa. Os empresários poderão esclarecer eventuais dúvidas, através do “Passo a Passo de Adesão” disponibilizado pela Receita Federal em seu website.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...