ANTES DE ENCARAR A COLÔMBIA, SELEÇÃO BRASILEIRA VAI TREINAR DOIS DIAS EM MANAUS

Crédito: Divulgação/GE

11/07/2017

Delegação desembarca na capital amazonense no dia 1 de setembro, antes de seguir para Barranquilla, no dia 3. Elenco treina na Arena da Amazônia

Por GloboEsporte.com, Manaus

No dia 5 de setembro, a seleção brasileira enfrenta a Colômbia, em Barranquilla, pela 16ª rodada das eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo da Rússia, em 2018. Antes do confronto, porém, o time fará dois treinos em Manaus, no Amazonas. O palco deve ser a Arena da Amazônia, estádio que marcou a estreia de Tite no comando, em jogos no país.

A delegação desembarca no aeroporto internacional de Manaus na noite do dia 1 de setembro, um dia depois do duelo contra o Equador, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. A estadia na capital amazonense dura até o dia 3, pela tarde, quando elenco e comissão técnica rumam para Colômbia.
Tite e Neymar Seleção Brasil x Uruguai (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

De acordo com o secretário de esportes do Amazonas e responsável pela manutenção da Arena, Fabrício Lima, membros da CBF vieram duas vezes a Manaus avaliar a condição do gramado. Ele conta, também, que a negociação surgiu por parte de ambos lados.

- Eles confirmaram com a gente. Estamos preparados para isso, demos uma preparada no gramado também. O estádio deve receber, no máximo, mais uma partida até a chegada da seleção (do Iranduba, caso passe pelo Santos e alcance a decisão do Brasileiro feminino). Eles falam que nosso povo é um povo diferente. Teve um diretor do Corinthians na Arena, que ligou pro Tite. Tudo isso ajudou. Nosso trunfo é nossa torcida - disse Fabrício.

A última passagem da seleção brasileira por Manaus foi justamente contra a Colômbia, no dia 6 de setembro de 2016, pela 8ª rodada das eliminatórias. Na oportunidade, o Brasil venceu por 2 a 1 e deu sequência a outras seis vitórias consecutivas.

Possibilidade de treino aberto à torcida

Como não haverá jogo, a ideia é realizar treinos abertos na Arena da Amazônia. O planejamento, no entanto, ainda não foi confirmado.

- Precisamos só de uma confirmação da CBF, mas acredito que não deve haver problemas quanto a isso. É uma forma de aproximar os jogadores da torcida, visto que não haverá jogo oficial - finalizou.

Cursos Online na área de Ciências Agrárias e da Terra

ALEMANHA CONQUISTA O TÍTULO DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES



02/07/2017

Agência Estado

A Alemanha confirmou neste domingo a sua supremacia no futebol mundial e aumentou a coleção de conquistas em competições organizadas pela Fifa. Com um elenco jovem, cuja média de idade beira os 24 anos e com apenas três remanescentes do Mundial no Brasil, o time comandado pelo técnico Joachim Löw bateu o Chile por 1 a 0, na Arena Zenit, em São Petersburgo, na Rússia, e comemorou o título da Copa das Confederações.

Se era para ser um teste para os meninos de Joachim Löw, todos eles foram aprovados. A competição realizada em quatro cidades (além de São Petersburgo, Moscou, Kazan e Sochi receberam jogos), que serviu de base para a Copa do Mundo de 2018, terminou com o Chile em segundo lugar e Portugal, sem Cristiano Ronaldo na luta pelo bronze, na terceira colocação - a equipe bateu o México por 2 a 1, em Moscou.

Desta forma, e com uma festa bonita de encerramento, destacando a sua cultura nacional, os russos se apresentaram ao mundo de maneira simpática, elegante e eficiente. A Fifa anunciou ocupação máxima de 57 mil torcedores na Arena Zenit neste domingo. 

Em campo, a Alemanha foi fria e letal diante dos "calientes" chilenos. Duas escolas diferentes de jogar futebol. Dois times fortes que ainda precisam confirmar vaga na Copa do Mundo do ano que vem. O Chile teve a torcida, o estádio e a bola nos seus pés. Foram 61% contra 39% dos atuais campeões do mundo. Chutou mais vezes e teve mais escanteios. Mesmo assim, não conseguiu furar o paredão germânico. Tentou sem sucesso pelo alto e descobriu que não era esse o caminho. Tentou por baixo e não teve qualidade de finalização. Tentou ainda catimbar, como se fosse possível ganhar uma decisão no grito e na manha. Nada disso funcionou diante da determinação, frieza e ataque letal do time alemão. 

Não seria demais afirmar que o primeiro bom ataque da Alemanha foi o do gol. Antes disso, era encurralada em sua própria defesa, derrapando em seus erros na saída de bola e espanando como podia na área. Arturo Vidal e Eduardo Vargas tiveram chances. Mas em uma bobeada do zagueiro Marcelo Díaz aos 20 minutos, perto de sua área, Werner roubou a bola e a entregou para Stindl marcar. Díaz era o último homem chileno. 

O gol esfriou os chilenos. No fim do primeiro tempo, foram os alemães que tiveram as melhores oportunidades de gol. O Chile fez a bola rondar a área do goleiro Ter Stegen sem que ninguém a empurrasse para dentro. A vantagem não fez a Alemanha mudar o seu propósito na decisão em São Petersburgo. Ela continuou atrás de uma segunda bola certeira. Foi assim até o fim. Não deu chutões nem se apavorou diante da catimba sul-americana. Joachim Löw passou tempo de mais na Bahia, em 2014, para não preparar suficientemente bem os seus garotos diante de rivais da América. 

As provocações se acentuaram no segundo tempo, mas nada parecia tirar a concentração do time alemão. O Chile, empurrado por sua torcida e por um Arturo Vidal querendo ganhar a todo custo, continuou desperdiçando gols, chutando para cima e para fora. Nos acréscimos, as bolas levantadas na área pelo goleiro Claudio Bravo pareciam ser a única jogada capaz de mudar o cenário. Não foi. No apito final, com cinco minutos de acréscimos, uma festa que os brasileiros conhecem bem. Alemanha campeã. 

FICHA TÉCNICA 

CHILE 0 X 1 ALEMANHA 

CHILE - Bravo; Isla, Madel, Jara e Beausejour; Marcelo Díaz (Valencia), Aránguiz (Sagal), Pablo Hernández e Arturo Vidal; Vargas (Puch) e Alexis Sánchez. Técnico: Juan Antonio Pizzi. 

ALEMANHA - Ter Stegen; Ginter, Rüdiger e Mustafi; Kimmich, Goretzka (Süle), Rudy, Stindl, Draxler e Jonas Hector; Werner (Can). Técnico: Joachim Löw. 

GOL - Stindl, aos 20 minutos do primeiro tempo. 

CARTÕES AMARELOS - Bravo, Vidal, Vargas e Jara (Chile); Rudy e Kimmch (Alemanha). 

ÁRBITRO - Milorad Mazic (Fifa/Sérvia). 

RENDA - Não disponível. 

PÚBLICO - 57.000 pagantes. 

LOCAL - Arena Zenit, em São Petersburgo (Rússia).

Cursos Online na área de Ciências Agrárias e da Terra

RONALDO CARREGARÁ TAÇA DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES ANTES DA FINAL

Ronaldo Fenômeno - Divulgação

01/07/2017

Fenômeno fará o 'trabalho' nos momentos que antecederão o jogo entre Alemanha e Chile

No dia em que se celebram 15 anos do pentacampeonato mundial da seleção brasileira, Ronaldo foi anunciado nesta sexta-feira (30) pela Fifa como o responsável por carregar a taça da Copa das Confederações ao gramado antes da final entre Alemanha e Chile. Os times se enfrentam no domingo (2), na Arena Zenit, em São Petersburgo.

O atacante esteve com a seleção na conquista da Copa das Confederações de 1997, na Arábia Saudita. Foi a primeira de quatro taças vencidas pelo time nacional nesta competição.

“Estou encantado de estar de volta à Copa das Confederações. Mas o mais importante é voltar para a Rússia e ver que tudo correu bem com o torneio. Não tenho dúvidas de que organizarão uma incrível Copa do Mundo no próximo ano”, disse.

A aparição de Ronaldo será na parte final da cerimônia de encerramento que contará com um espetáculo de luzes, dança e música e terá a participação de mais de 1.500 pessoas. A festa terá início às 13h15 (de Brasília). A bola rola a partir das 15h.

Outros jogadores que venceram a Copa das Confederações no passado também serão homenageados pela Fifa.

GRAMADO PREOCUPA

As más condições do gramado do estádio fizeram a Fifa vetar Alemanha e Chile treinar no palco da final da Copa das Confederações. Neste sábado, véspera do jogo, os times farão suas atividades em outros locais da cidade.

De acordo com nota enviada pela Fifa à reportagem, a medida é “normal” e a entidade quer preservar o gramado para a cerimônia de encerramento e o jogo.

Mas o fato é que o gramado é o ponto fraco do estádio que custou quase R$ 2,7 bilhões. Durante todo o torneio, nenhuma seleção que jogou em São Petersburgo pôde treinar no campo, diferentemente do que ocorreu nas outras três sedes: Moscou, Kazan e Sochi. A Fifa permitiu apenas uma caminhada de reconhecimento.

Após o jogo entre Portugal e Nova Zelândia, no sábado passado (24), Cristiano Ronaldo reclamou bastante do campo, que não foi usado desde então.

Na última segunda-feira, após o encerramento da primeira fase, Colin Smith, diretor de competições da Fifa, admitiu que o estado da grama não era o ideal.

“É um campo novo. Os times fizeram seus aquecimentos antes do jogo e depois tiveram as partidas. Um campo mais maduro aguenta melhor estas situações. O clima aqui também não nos ajudou, com muita chuva e pouco sol. As condições climáticas não proporcionaram o crescimento ideal da grama. Por isso, vamos cobrir todo o campo para regulara temperatura e ajudar no crescimento. teremos uma boa superfície para a final” disse.

O gramado do estádio só ficou pronto na semana da abertura. Isso porque ele precisou ser totalmente trocado em trabalhos que começaram em 30 de maio. O jogo inaugural da competição foi em 24 de junho.

A grama original já havia apresentado muitos problemas, conforme a Folha de S.Paulo mostrou.

Fonte: Notícias ao Minuto

Cursos Online na área de Ciências Exatas e Tecnologia

MUDAR SEDE DAS COPAS DE 2018 E 2022? SECRETÁRIA-GERAL DIZ QUE NÃO HÁ BASE SÓLIDA PARA MUDANÇA

Fatma Samoura, secretária-geral da Fifa (Foto: Getty Images)

01/07/2017

Por: Felipe Lobo

A publicação do Relatório Garcia colocou alguma pressão na Fifa. Mesmo sem provas concretas de compra de votos no processo de candidatura das Copas do Mundo de 2018 e 2022, o documento levantou suspeitas sobre o processo e a postura dos países candidatos. A secretária-geral da Fifa, Fatma Samoura, refutou a possibilidade de refazer a votação e escolher novas sedes para os dois Mundiais, apesar dos protestos de quem faz campanha anti-Fifa, como o New Fifa Now (“Nova Fifa agora”, uma organização que pede mudanças imediatas na entidade).

Segundo o New Fifa Now, refazer a votação pelas Copas de 2018 e 2022 “restauraria a confiança no modo como o futebol é administrado”. A ideia, porém, não passa pela cabeça da Fifa, segundo a secretária-geral da entidade, Fatma Samoura. “Não há base sólida para realmente questionar a adjudicação [validade] destas duas Copas do Mundo a Rússia e Catar”, afirmou a dirigente.

“Nós recebemos com boas-vindas a decisão de publicar o Relatório Garcia por uma questão de transparência”, disse Samoura, que estava no Fórum “Football for Hope”. O evento promove o desenvolvimento pela educação e saúde através do futebol. O evento aconteceu em Kazan, na Rússia, onde está sendo realizada a Copa das Confederações.

Perguntada sobre problemas com a conduta da candidatura inglesa, acusada de tentar trocar favores por votos na disputa por sediar a Copa de 2018, Samoura desconversou. “Eu estou focada apenas em futebol”, afirmou. “Como eu disse anteriormente, as sanções devem ser deixadas para responsabilidade do Comitê de Ética e não à administração da Fifa”, continuou.

Sobre o escândalo de doping na Rússia, Samoura confirmou que a Fifa está investigando um documento da Wada (Agência Mundial Antidoping, sigla em inglês). “Nós expressamos a nossa posição e estamos cooperando completamente”, afirmou Samoura. “Nós não podemos elaborar até que tenhamos as decisões finais do laboratório. Nós temos uma política de tolerância zero com doping. Nós temos a lista da Wada, mas não podemos revelar nomes”, explicou ainda a secretária-geral da Fifa.

Mudar a sede da Copa do Mundo de 2018, com menos de um ano para a realização, parece mesmo algo impossível, embora as suspeitas sobre a Rússia sejam grandes – não pela realização do evento, mas pelo processo de candidatura e as denúncias de trabalho escravo, por exemplo. Mas a Fifa deveria repensar a questão de 2022 o mais brevemente possível. Sabemos que não irá acontecer, porque nem com denúncias de trabalho escravo a Fifa agiu. As suspeitas levantadas no Relatório Garcia deveriam, no mínimo, criar uma investigação séria sobre a questão da candidatura de 2022. Mas isso nós também sabemos que dificilmente irá acontecer.

Fonte: Trivela

Cursos Online na área de Ciências Biológicas e da Saúde

FUTEBOL PELA AMIZADE SE ENCERRA NESTE DOMINGO EM SÃO PETERSBURGO

Crianças foram divididas em 8 equipes internacionais para o torneio 
de sábado Foto:Divulgação

01/07/2017

Projeto social da Gazprom reúne crianças de 64 países com missão de unir povos. Além de campeonato no sábado (1º), jovens atletas irão participar de fórum sobre valores do programa e assistir à final da Copa das Confederações da Fifa 2017, no domingo (2).

Neste fim de semana se encerra em São Petersburgo a 5ª temporada do programa social internacional infantil Futebol pela Amizade (F4F), organizado pela gigante de energia russa Gazprom, parceira oficial da Fifa e da Copa do Mundo de Futebol 2018. Os eventos finais da atual temporada tiveram início na última segunda (26).

O número de países dobrou na presente edição, para 64, reunindo delegações de Europa, Ásia, África, e América do Norte, Central e do Sul.

“Estou feliz com essa oportunidade única de estar em outro país, em uma final internacional, com jogadores de diversas culturas”, diz Juan Assis, atleta da categoria de base do Fluminense, que representa o Brasil.

A quinta temporada também apresenta novo formato. Em vez de representarem times de diferentes países, os jovens futebolistas, na faixa dos 12 anos, foram agrupados em oito equipes internacionais – os chamados Times da Amizade.

A mudança reforça o objetivo do evento, que, segundo os organizadores, é provar que a amizade independe de cor, sexo, religião e habilidade física.

“É muito bom fazer tantos amigos novos. Já fiz muitos amigos de outros países antes. Meu primo vive na Noruega, e foi ele quem cultivou em mim essa paixão pelo futebol”, diz a russa Arina Nagavkina-Stetskevich, da equipe Branca.

Os jovens atletas, acompanhados por funcionários de federações e associações de futebol, professores e pais, vêm participando de treinamento sob os olhares atentos de jogadores de futebol conhecidos e competidores anteriores.

“Quando estou em casa, vou para a escola toda manhã e depois, três dias por semana, treino futebol. Aqui, na Rússia, estamos tendo treinos e aulas por três dias seguidos. Eu gosto de fazer esportes e aguardo o dia do campeonato, porque eu realmente quero que meu time vença essa competição. Espero que os próximos dias sejam divertidos”, diz Tiago Philip, jovem embaixador de Portugal.

O primeiro Campeonato Internacional Futebol pela Amizade, que reunirá em campo meninos e meninas, será realizado neste sábado (1º).

No domingo (2) acontecerá ainda o 5º Fórum Infantil Internacional “Futebol Pela Amizade”, no qual as crianças poderão discutir com jogadores de futebol e jornalistas sobre os valores do programa e como promovê-los ao redor do mundo.

Os participantes, que tradicionalmente assistem juntos a uma partida de futebol ao final do Futebol pela Amizade, irão neste ano à final da Copa das Confederações da Fifa 2017, na Arena Zenit, também neste domingo.

Jornalismo jovem

Aspirantes a jornalistas também estão trabalhando no Centro Internacional de Imprensa Infantil junto com representantes adultos da imprensa. Além de informarem diretamente do local em São Petersburgo, por meio de seus próprios canais de TV e rádio, os jornalistas-mirins criam conteúdo para o site e redes sociais, produzem um jornal diário e preparam materiais para mídia esportiva.

Imprensa-mirim nos bastidores do "Futebol da Amizade" (Foto: Divulgação)
Fonte: Gazeta Russa

Cursos Online na área de Ciências Humanas e Sociais

O SISTEMA TÁTICO COM TRÊS ZAGUEIROS, VENCEDOR EM 2002, VOLTA COM TODA A FORÇA

Cafu levanta a taça - AP Photo/Thomas Kienzle

01/07/2017

Último campeão do mundo utilizando a defesa com três homens, Brasil vê a moda retrô virar tendência para Copa da Rússia. Alemanha, Argentina, Inglaterra e Itália ensaiam formato para 2018

Em vez de enxergar jogos com os olhos de Vanderlei Luxemburgo — para quem não há nada novo no futebol —, siga o conselho do saudoso Telê Santana. O mestre dizia que partidas aparentemente inexpressivas sempre permitem boas descobertas. Portanto, não ignore amistosos e a Copa das Confederações, por exemplo. Uma moda retrô usada pelo Brasil na conquista do pentacampeonato mundial, em 2002, na vitória por 2 x 0 sobre a Alemanha, é uma tendência que está reconquistando grandes seleções a menos de um ano da Copa de 2018.

Em 30 de junho de 2002, Marcos; Lúcio, Edmílson e Roque Júnior; Cafu, Kleberson, Gilberto Silva, Ronaldinho Gaúcho e Roberto Carlos; Rivaldo e Ronaldo brindavam o Brasil com o quinto título mundial. A Seleção era configurada por Luiz Felipe Scolari em um sistema tático com três zagueiros — o 3-5-2. O Correio teve acesso a dois rascunhos táticos feitos à mão por Felipão para Jairo dos Santos, seu observador técnico na Copa de 2002 (ler arte). O sistema, que fracassou com Sebastião Lazaroni na Copa de 1990, mas foi vitorioso na prancheta do patriarca da família Scolari, tinha variáveis para o 3-3-3-1 e o 3-4-2-1.

“A vantagem maior de jogar com três zagueiros naquela Seleção era a segurança da defesa, cobertura mais sólida com a minha adaptação ao Edmilson e ao Roque Júnior. Isso deu confiança para a equipe. A outra vantagem é que o Roberto Carlos e o Cafu tinham mais liberdade para subir ao ataque. A gente sabia da qualidade e da força deles. Deu certo. Nós tivemos a melhor defesa, sofremos apenas quatro gols e vencemos todos os sete jogos”, lembra o zagueiro Lúcio em entrevista ao Correio. O brasiliense era um dos titulares de Felipão.

Quinze anos depois, o 3-5-2, inspira seleções candidatas ao título na Rússia, em 2018. Com a bola, é 3-5-2. Sem ela, vira 5-4-1, como se fosse uma sanfona. Atual campeã do mundo e finalista da Copa das Confederações contra o Chile, a Alemanha, de Joachim Löw, está se reinventando. Nas quartas de final da Euro-2016, os germânicos enfrentaram a Itália no 3-5-2, com Höwedes,  Boateng e Hummels formando a trinca de beques. Na Copa das Confederações, Joachim Löw usou o 3-5-2 contra a Austrália, o 3-4-2-1 diante do Chile e de Camarões, e o 3-4-3 contra o México. Kimmich, Ginter e Rüdiger são as três torres.



Protótipos

Tite está na Rússia acompanhando in loco as semifinais. Ele percebeu a mudança. “Me parece que a Alemanha joga com três zagueiros, três defensores centrais. Isso também serve de aprendizado para mim”, comentou em entrevista ao SporTV. O próprio Tite testou uma formação alternativa na goleada sobre a Austrália, com os zagueiros Thiago Silva, Rodrigo Caio e David Luiz.

Fiel ao tradicional 4-4-2, a Inglaterra é outra campeã mundial que tem ensaiado o sistema com três zagueiros. Na derrota por 3 x 2 para a França, no último dia 13, Stones, Cahill e Jones formaram a defesa no esquema 3-4-2-1 do técnico Gareth Southgate. A Itália, de Giampiero Ventura, alterna defesa com linhas de quatro e de três defensores.  Neste ano, perdeu para a Holanda no 3-5-2 e goleou o Uruguai no 4-4-2.

Na Argentina, a era Jorge Sampaoli começou com três zagueiros nas vitórias sobre o Brasil (1 x 0) e Singapura (6 x 0). Nicolás Otamendi, Jonathan Maidana e Gabriel Mercado foram os escolhidos nos sistema tático 3-4-2-1. O formato lembra bastante o Brasil pentacampeão em 2002. Goméz, Biglia, Banega e Di María formavam o meio de campo e o ataque tinha Messi e Dybala, responsáveis por abastecer o centroavante Higuaín.

“A vantagem de jogar com três zagueiros era a segurança da defesa. Sofremos quatro gols e vencemos os sete jogos”Lúcio, zagueiro pentacampeão

“A Alemanha joga com três zagueiros, três defensores centrais. Isso também serve de aprendizado para mim”Tite, técnico da Seleção Brasileira

Recorde na Copa de 1998


Além dos Brasil, duas seleções foram campeãs mundiais usando três zagueiros: Argentina de Carlos Bilardo, em 1986, e a Alemanha de Franz Beckenbauer, em 1990. Por sinal, o argentino Bilardo reivindica a paternidade do sistema. Com a bola, é 3-5-2. Sem ela, vira 5-4-1.
Na comparação entre as últimas sete Copas do Mundo, a de 1998 foi a que mais teve seleções configuradas com três zagueiros: 20 das 32. Na sequência, os mundiais de 2002 (17) e de 1990 (14). Na edição de 1994, nove países recorreram à constestada tática.

O curioso é que, depois do penta do Brasil, o 3-5-2 caiu em desuso na Copa. Cinco seleções usaram em 2006, cinco em 2010 e apenas três em 2014. Em 2017, o campeão inglês Chelsea e a italiana Juventus são dois clubes responsáveis pela ressurreição do esquema.

Fonte: Super Esportes

Cursos Online na área de Ciências Agrárias e da Terra

ALEMANHA GOLEIA MÉXICO E VAI À FINAL DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES

Alemanha tentará primeiro título da competição (Foto: Patrik Stollarz/AFP)
29/06/2017

Por: Gazeta Esportiva

A Alemanha está na final da Copa das Confederações. Nesta quinta-feira, em Sochi, os atuais campeões do mundo marcaram 4 a 1 no México, sem grandes dificuldades. Goretzka, com dois gols no início da partida, Werner e Younes foram os responsáveis por balançar as redes. Fabián descontou.

Após abrir 2 a 0 em apenas sete minutos, os alemães jogaram com inteligência, administrando o placar e trocando passes com qualidade. Assim, saíram o terceiro e o quarto tento na segunda etapa, confirmando a classificação à final da competição.

Na decisão, os germânicos tentarão o primeiro título de Copa das Confederações em sua história enfrentando o Chile, em São Petersburgo, no domingo, às 15 horas (de Brasília). Mais cedo, às 9 horas, o México disputa o terceiro lugar contra Portugal, em Moscou.

O jogo – A Alemanha começou com tudo e, em sete minutos, abriu 2 a 0. Goretzka, duas vezes, superou Ochoa com finalizações precisas e já colocou os atuais campeões mundiais com boa vantagem no placar em Sochi.

Muito espaçados em campo, os mexicanos quase levaram o terceiro aos 18. Werner saiu na cara do gol, mas desta vez o goleiro Ochoa conseguiu evitar o tento, defendendo com os pés. Depois disso, as chances claras diminuíram para o time de Joachim Low.

Aos poucos, os comandados de Juan Carlos Osorio cresceram, criando oportunidades. Aos 33, Hernández e Jonathan dos Santos exigiram defesas de Ter Stegen. Dois minutos depois, Chicharito perdeu nova chance, batendo por cima. Com isso, o México foi aos vestiários mais confiante, mas ainda com derrota por dois gols.

Aos 5 da segunda etapa, Jimenez teve chance de diminuir, mas a bola foi em cima de Ter Stegen, que conseguiu segurar. Na sequência, os alemães responderam com Werner, que saiu na cara de Ochoa, mas não teve ângulo para colocar nas redes.

Aos 13, a Alemanha definiu o jogo. Após intensa troca de passes próxima à área do México, o lateral esquerdo Hector apareceu livre na área e rolou para o centroavante Werner, que só empurrou para as redes: 3 a 0.

Depois disso, com o jogo praticamente decidido, os europeus voltaram a administrar a vantagem, saindo apenas nos contra-ataques. Ao time da América do Norte restou tentar o gol de honra. Aos 24, Layún quase fez, mas Ter Stegen salvou com ótima defesa.

Aos 31, os comandados de Osorio quase diminuíram. Jimenez se antecipou em cruzamento e escorou de cabeça. Por azar, a bola acertou o travessão. Quando o duelo parecia definido, o jogo ficou movimentado.

Aos 43, em grande chute de fora da área, Fabián descontou, dando um pouco de ânimo aos campeões da Concacaf. Dois minutos depois, porém, Younes saiu na cara de Ochoa e fez o quarto, definindo o placar final: 4 a 1 Alemanha.

FICHA TÉCNICA

ALEMANHA 4 x 1 MÉXICO

Local:
Estádio Olímpico de Sochi, em Sochi (Rússia)
Data: 29 de junho de 2017, quinta-feira
Horário: 15 horas (de Brasília)
Árbitro: Néstor Pitana (Argentina)
Assistentes: Hernan Maidana (Argentina) e Juan Pablo Belatti (Argentina)
Público: 37.923 pessoas
Cartões amarelos: Emre Can (Alemanha), Jimenez (México)
Gols: ALEMANHA: Goretzka, aos 5 e aos 7 minutos do primeiro tempo; Werner, aos 13, e Younes, aos 45, minutos do segundo tempo
MÉXICO: Marco Fabián, aos 43 minutos do segundo tempo

ALEMANHA: Ter Stegen; Kimmich, Rudiger, Ginter e Hector; Henrichs, Rudy, Goretzka (Emre Can) e Draxler (Younes); Stindl (Brandt) e Werner
Técnico: Joachim Low

MÉXICO: Ochoa; Layún, Araujo, Moreno e Alanís; Hector Herrera, Jonathan dos Santos (Márquez) e Giovani dos Santos (Marco Fabián); Aquino (Lozano), Hernández e Jimenez
Técnico: Juan Carlos Osorio
Cursos Online na área de Ciências Agrárias e da Terra

NA RÚSSIA, TITE PEDE ADVERSÁRIOS DE ALTO NÍVEL PARA O BRASIL

Tite, técnico da seleção brasileira de futebol chega para acompanhar a partida 
entre Portugal e Chile válida pela semifinal da Copa das Confederações na Arena 
Kazan, na Rússia - 28/06/2017 (Marcelo Machado de Melo/Fotoarena/Folhapress)

28/06/2017

Acompanhando a Copa das Confederações, o técnico destacou importância de jogos contra times fortes como preparação para o Mundial de 2018

Tite está na Rússia para acompanhar as semifinais da Copa das Confederações. Nesta quarta-feira, o treinador esteve na Arena Kazan e assistiu o Chile eliminar Portugal nos pênaltis. A seleção brasileira foi a primeira a se classificar à Copa do Mundo de 2018, e Tite afirmou que deseja adversários de alto nível para que o Brasil chegue no próximo ano bem preparado.

“O que importa é o enfrentamento em alto nível. O Chile é uma equipe que já está madura e vem de duas conquistas de Copa América, vem mentalmente forte. Esses jogos vão amadurecendo a equipe, como nas partidas contra Austrália e Argentina, com dois sistemas que não havíamos enfrentado, o 3-6-1. A seleção vai se ajustando”, disse Tite ao SporTV.

O treinador também falou sobre os escândalos de doping que atingiram a Rússia. No último final de semana, o jornal inglês Daily Mail denunciou um possível esquema de doping de 23 jogadores russos que atuaram na Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Tite preferiu não se prolongar no assunto. “Enquanto não houver um fato comprovado fica difícil estabelecer um julgamento. Não tenho parâmetros para julgar. Que sejam punidos os responsáveis, pois a partir daí nós passamos a respeitar a regra do jogo.”

Fonte: VEJA.com

Cursos Online na área de Ciências Humanas e Sociais

COPA DAS CONFEDERAÇÕES: BRAVO BRILHA NOS PÊNALTIS, E CHILE VENCE PORTUGAL E AVANÇA

Bravo defende cobrança de Quaresma
Foto: Reuters

28/06/2017

O Chile está na final da Copa das Confederações. Em jogo truncado, que terminou em 0 a 0, o goleiro Claudio Bravo brilhou nas cobranças de pênaltis, pegando todas as cobranças portuguesas e garantiu a vaga na decisão pelo placar de 3 a 0 nas penalidades.

Com a vaga garantida para a final, o Chile espera o vencedor do jogo entre Alemanha e México, que ocorre nesta quinta-feira, para saber quem será seu adversário na grande decisão da Copa das Confederações. Já Portugal enfrenta o perdedor na disputa pelo terceiro lugar.

A grande final da Copa das Confederações acontece no próximo domingo, às 15h(de Brasília), na Arena Zenit. Um pouco mais cedo, às 9h(de Brasília), a decisão pelo terceiro lugar ocorre no Estádio do Spartak.

O jogo - A partida teve início aberta, com as duas equipes finalizando a gol. Aos dois minutos, André Gomes recebeu na entrada da área e experimentou. No entanto, Claudio Bravo estava bem posicionado para defender sem problemas.

O Chile respondeu na sequência e quase saiu na frente. Aos seis minutos, Eduardo Vargas recebeu um grande passe de Alexis Sánchez e ficou cara a cara com o goleiro Rui Patrício. O atacante finalizou, mas o arqueiro português apareceu bem para defender e evitar o gol.

Já aos sete, foi a vez de Portugal quase sair na frente. Cristiano Ronaldo recebeu pela esquerda e cruzou rasteiro. A bola atravessou a área e chegou em André Silva, que finalizou, mas viu Claudio Bravo também fazer uma boa defesa para evitar o gol.

Após as boas chances, o jogo ficou totalmente aberto, com as duas equipes tentando armar jogadas ofensivas. No entanto, poucas oportunidades efetivas foram criadas. O Chile voltou a assustar somente aos 28. Aránguiz se antecipou a marcação depois de cruzamento de Isla e cabeceou. A bola levou muito perigo, mas passou ao lado do gol.

Logo na sequência, aos 30, novamente Aránguiz teve chance após desvio de Vidal dentro da área. O volante recebeu livre, chutou de primeira, mas pegou mal na bola, mandando longe do gol.

Nos 15 minutos finais, a partida voltou a ter poucas chances. Com o jogo morno, o placar se manteve inalterado e o duelo foi para o intervalo empatado em 0 a 0.

A partida voltou para a segunda etapa morna, com poucas chances claras. A primeira oportunidade de perigo veio apenas aos oito minutos, e foi chilena. Beausejour cruzou pela esquerda e encontrou Vidal dentro da área. O meia testou firme, mas mandou por cima, perdendo boa chegada.

Logo na sequência, as oportunidades começaram a surgir. Aos 11 minutos, Sánchez dominou a bola dentro da área, mandou de voleio e obrigou Rui Patrício a fazer grande defesa para evitar o gol. Portugal respondeu em contra-ataque. Aos 12, Cristiano Ronaldo recebeu pela ponta, invadiu a área e mandou uma bomba. Desta vez, Claudio Bravo estava bem posicionado para defender.

Os chilenos assustaram mais uma vez aos 16. Vidal experimentou de fora da área, a bola pegou força e foi por cima do gol, levando muito perigo.

Nos minutos seguintes, o jogo ficou morno. Portugal voltou a assustar somente aos 26 minutos. Cristiano Ronaldo recebeu na entrada da área após contra-ataque e finalizou. A bola desviou na marcação e passou com perigo ao lado do gol.

Apesar da chance portuguesa, a partida voltou a ficar morna nos minutos seguintes. As equipes tocavam a bola, mas majoritariamente no campo de defesa, sem levar perigo ao adversário. Com isso, Portugal só assustou novamente aos 39 minutos de jogo. Cristiano Ronaldo aproveitou cruzamento de Cédric, ganhou da defesa chilena e cabeceou. A bola foi por cima, passando muito perto.

Após mais esta finalização para fora, os dois times não criaram mais chances e o duelo foi para a disputa da prorrogação.

Logo no primeiro minuto, Portugal teve uma boa chance. André Silva recebeu de Quaresma na entrada da área e chutou firme. A bola pegou força e foi por cima do gol.

O Chile respondeu na sequência e quase marcou. Aos quatro, Isla recebeu pela direita e cruzou para Alexis Sánchez. O atacante subiu mais alto que a defesa e testou para o chão. A bola tirou tinta da trave, mas foi para fora.

Nos minutos seguintes, os jogadores sentiram o desgaste e poucas chances foram criadas. Com isso, o primeiro tempo da prorrogação manteve o empate em 0 a 0.

Com os jogadores ainda mais cansados, o segundo tempo da prorrogação foi ainda mais morno. Com isso, coube a um jogador que entrou poucos minutos depois criar a principal chance. Francisco Silva invadiu a área e foi derrubado por José Fonte, em lance duvidoso. Os chilenos pediram pênalti, mas o árbitro mandou o jogo seguir.

A bola do jogo, porém, veio aos 13 minutos. Vidal recebeu na entrada da área e mandou uma bomba, que carimbou a trave. A bola voltou para Rodríguez, que a poucos metros do gol colocou o pé na bola e mandou na trave, em impressionante chance perdida.

Após a bola não entrar nesta grande oportunidade, o jogo se encaminhou para ser decidido na disputa por pênaltis.

Nas cobranças de pênalti, Claudio Bravo brilhou. O goleiro chileno pegou todas as três cobranças portuguesas, de Quaresma, João Moutinho e Nani, e viu seus companheiros converterem todas para fechar a vitória em 3 a 0 e garantir a vaga na final.

FICHA TÉCNICA

PORTUGAL (0)0 X 0(3) CHILE

Local : Kazan Arena, em Kazan (Rússia)
Data : 28 de junho de 2017 (Quarta-feira)
Horário : 15 horas (de Brasília)
Árbitro : Alireza Faghani (Irã)
Assistentes : Reza Sokhandan (Irã) e Mohammadreza Mansouri (Irã)
Público: 40.855 torcedores
Cartões Amarelos: William Carvalho, José Fonte, Bruno Alves, Cédric e André Silva(Portugal); Gonzalo Jara e Pablo Hernández(Chile)
Cartões Vermelhos: Nenhum

GOLS: Nenhum

PORTUGAL : Rui Patrício, Cédric, José Fonte, Bruno Alves e Eliseu; William Carvalho, Adrien Silva(João Moutinho), André Gomes(Gelson Martins) e Bernardo Silva(Quaresma); André Silva(Nani) e Cristiano Ronaldo
Técnico : Fernando Santos

CHILE : Claudio Bravo, Mauricio Isla(Fuenzalida), Gary Medel, Gonzalo Jara e Beausejour; Marcelo Díaz, Charles Aránguiz, Arturo Vidal e Pablo Hernández(Francisco Silva); Eduardo Vargas(Martín Rodríguez) e Alexis Sánchez
Técnico : Juan Antonio Pizzi

Fonte: Terra

Cursos Online na área de Ciências Agrárias e da Terra

CORRUPÇÃO FAZ FIFA SER REJEITADA POR PATROCINADORES

A Fifa teve um prejuízo de US$369 milhões em 2016, o triplo do valor 
das perdas do ano anterior (Foto: Wikimedia)

27/06/2017

Prisão de dirigentes da Fifa acusados de corrupção ainda repercute na obtenção de patrocínio para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia

No Museu do Futebol Mundial da Federação Internacional de Futebol (Fifa) em Zurique, os visitantes tiram fotos com a taça da Copa do Mundo, arriscam um palpite em um comentário de um jogo e olham as peças exibidas, como o documento original manuscrito das regras do jogo e o famoso cartão amarelo dado ao jogador de futebol inglês, Paul Gascoigne, em 1990. Mas os visitantes que querem ver os lençóis que cobriram os dirigentes da Fifa, ao saírem de um hotel suíço de luxo em 2015, após serem presos por acusação de corrupção, decepcionam-se, porque não estão em exibição.

Se o museu ignora esse triste episódio na história da Federação, seu balanço patrimonial é um reflexo do impacto da prisão de seus dirigentes na reputação da entidade. A Fifa teve um prejuízo de US$369 milhões em 2016, o triplo do valor das perdas do ano anterior e a previsão é de uma perda de US$489 milhões em 2017. As reservas financeiras, que ultrapassaram US$1 bilhão desde 2008, deverão diminuir para US$605 milhões no próximo ano.

Os prejuízos são resultado, em parte, do aumento do financiamento das associações de futebol e das mudanças contábeis no registro dos custos e da receita. Porém, os gastos da Fifa com advogados e processos judiciais nos EUA e na Suíça devido à acusação de corrupção aumentaram de US$20 milhões em 2015 para US$50 milhões em 2016. As demonstrações financeiras também indicaram uma série de investimentos com pouco retorno, incluindo o museu, que custou US$190 milhões e não tem atraído muitos visitantes.

A Fifa acredita que irá atingir seu objetivo de obter uma receita de US$5,6 bilhões no período de 2015-18, graças ao patrocínio da Copa do Mundo de 2018 na Rússia. Mas vários patrocinadores, como Sony, Emirates e Castrol, não renovaram seus contratos. Com menos de um ano antes do campeonato, a Fifa conseguiu apenas 12 patrocinadores para as 34 propostas de parceria oferecidas. Os organizadores do evento conseguiram o apoio do banco russo Alfa-Bank, com sede em Moscou, porém ainda não têm uma emissora para transmitir os jogos no país anfitrião. Na mesma etapa da Copa do Mundo de 2014 no Brasil, a maioria dos projetos de parceria já tinha patrocinadores, com diversos acordos assinados com anos de antecedência.

A Fifa assinou com a Vivo, uma fabricante de smartphones, seu terceiro contrato de patrocínio com uma empresa chinesa. O interesse das empresas chinesas em apoiar a Federação talvez seja um sinal de recuperação de sua imagem após o escândalo de corrupção. Mas em maio, a Fifa substituiu um juiz e um promotor, que integravam seu comitê de ética por novos membros. Os dois foram responsáveis ​​pelas investigações que causaram a suspensão de Sepp Blatter, ex-presidente da Fifa e de outros dirigentes. Ambos alegaram que a demissão deles significava o “final do processo de reforma da entidade”. Portanto, ainda restam muitas perguntas sem respostas a respeito da transparência da administração da Federação Internacional de Futebol.

Fonte: Opinião & Notícia

NIJNI, A CIDADE TURÍSTICA QUE ESPERA RECEBER O BRASIL NA COPA DA RÚSSIA

Como na Praça Mauá. O letreiro à frente do Kremlin de Nijni Novgorod 
atrai turistas: cidade espera receber o Brasil - Gian Amato / Gian Amato

27/06/2017

Localizado a 400km de Moscou, município se arruma para o Mundial
   
Por Gian Amato - Enviado Especial - O Globo

Nijni Novgorod (Rússia) - Esqueça a correria de Moscou. A única pressa que há na tranquila Nijni Novgorod é para receber a Copa do Mundo. A pouco menos de um ano para a abertura, turistas e nativos já compartilham as ruas da cidade e a atmosfera do Mundial da Rússia.

Após percorrer 400km desde Moscou, o que significa umas três paradas de trem, superadas em pouco mais de quatro horas, Nijni Novgorod se revela magistral entre os rios Volga e Oka. Ainda de dentro do vagão do metrô, que liga a ferrovia à cidade alta, é possível avistar no horizonte o estádio em construção e o encontro dos rios. Mas é na rua que a expectativa une quem nasceu na naquelas margens aos que vêm de fora.

- É linda e lembra algumas cidades italianas. E é mais quente que em Moscou. Estamos adorando - diz um turista italiano, torcedor do Cagliari, a passeio pela cidade com a namorada.

Mesmo de fora da Copa das Confederações, Nijni é um estratégico ponto entre Moscou e Kazan. Muitas seleções, mesmo as ainda não classificadas para o Mundial, já se candidataram para ficar na cidade por isso. Apenas a Fifa tem conhecimento de quais são. Nem o comitê local sabe ainda.

O crescente interesse pela cidade fez a prefeitura instalar um letreiro/monumento similar ao que fez tanto sucesso na Praça Mauá na Rio-2016. Ao lado do Kremlin local (a palavra russa significa "fortaleza", e há muitos kremlins pelo país), com o Voga ao fundo, virou ponto turístico. Moradores e viajantes. Fizeram da frase "Rússia 2018" parada obrigatória. Até ônibus de turismo fazem ponto ali.

Se em Moscou as referências ao Mundial espalhadas pela cidade são raras, em Nijni Novgorod elas estão por toda a parte. Seja em pôsteres ou em faixas e cartazes pendurados em pontos estratégicos.

Para quem está acostumado a velejar pelo Volga, em uma paisagem que muda muito pouco, a imponente construção do estádio, que até lembra o Mané Garrincha, em Brasília, é um marco do que a população espera para a cidade.

- Eu acho que a Copa do Mundo poderá ser boa para a Rússia. Mas poderá ser boa principalmente para Nijni - disse Mike Meller.

Mas há quem desconfie das benesses. Após passar um tempo de intercâmbio nos Estados Unidos, o estudante Danil Chuvachov acha que a conduta da Copa deve servir de exemplo de lisura para todo o país.

- A Rússia é o país da corrupção. Logo, não queremos esta mancha. Temos alguns problemas de infraestrutura, como em toda cidade grande, que podem ser resolvidos agora - afirmou Chuvachov.

Os problemas a que Chuvachov se refere dizem respeito ao sistema de ônibus da cidade. A frota é antiga e não há ar condicionado. Acredite: em Nijni, faz calor no verão. Mas a passagem custa 20 rublos. Ou R$ 1,12. E não, não é pelos 20 rublos...

Cursos Online na área de Ciências Humanas e Sociais

RELATÓRIO DA FIFA CITA VANTAGENS INDEVIDAS DADAS A RICARDO TEIXEIRA

Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF (Foto: Divulgação)

27/06/2017

Por LANCE! 

Ex-presidente da CBF é incluído em documento divulgado nesta terça. As investigações giram em torno da eleição da sede da Copa de 2022, mas citam acordos comerciais da CBF
  
A Fifa divulgou nesta terça-feira um aguardado relatório, que traz o resultado das investigações sobre o processo de escolha das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022. No documento, que é longo, o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, é citado várias vezes como sendo um dos beneficiários de vantagens indevidas durante o período de candidatura. 

Segundo os relatos, Teixeira recebeu regalias, por exemplo, na negociação envolvendo o amistoso da Seleção Brasileira no Qatar, país que viria a ganhar o direito de sediar o Mundial de 2022. 

O documento cita que "a prima facie" (expressão em latim que significa à primeira vista), o Comitê de Ética da Fifa poderia enquadrar Ricardo Teixeira, mesmo com o brasileiro já tendo renunciado às funções no futebol em 2012. As violações seriam dos artigos que tratam de regras de conduta, lealdade, conflitos de interesse, aceitação de presentes e outros benefícios, suborno e corrução.

O relatório cita ainda que apesar de Teixeira ter aceitado as regalias em Doha, no Qatar, "os fatos e circunstâncias ao redor dos contratos dos direitos comerciais da CBF são de longe mais sérios".

O chamado "Garcia Report", em alusão ao chefe da investigação, Michael Garcia, que presidiu a câmara investigatória do Comitê de Ética da Fifa, só foi publicado pela Fifa porque fora vazado irregularmente a um jornal alemão. Assim, a entidade resolveu, nas palavras da própria Fifa, "evitar a disseminação de informações equivocadas". Para compilar o relatório, vários dirigentes foram ouvidos, mas Teixeira não foi um deles.

Em relação à candidatura do Qatar e o processo de negociação do amistoso do Brasil contra Argentina no Oriente Médio, o relato dá conta de um encontro do Emir daquele país no Rio de Janeiro. O local escolhido sempre foi uma "segunda casa" de Ricardo Teixeira: o Itanhangá Golf Clube. Lá estiveram também os então presidentes da AFA, Julio Grondona, da Conmebol, Nicolás Leoz, além do ex-presidente da Fifa, João Havelange. 

Sobre o acerto para que o amistoso Brasil x Argentina fosse realizado no Qatar, a investigação pegou como pressuposto matérias que diziam de um suposto recebimento de US$ 7 milhões por parte da CBF. Mas a Fifa não comprovou esse pagamento e ainda disse que o dinheiro que circulou para a realização do jogo (em 17 de novembro de 2010) foi bem menor. Ao mesmo tempo, o relatório pontua que "as provas levantam questões sobre o propósito e beneficiários de certos pagamentos". Por ocasião da partida, o relatório cita o tratamento "VVIP" que Teixeira, esposa e filha receberam no Qatar, ficando em suítes de hotel com mais requinte do que os próprios jogadores da Seleção. A diária foi de US$ 5.490, pagos pela candidatura do qatari. O valor era 18 vezes mais que a de Messi e 30 vezes a de Robinho.

Em relação aos contratos de direitos comerciais da CBF, que são "de longe mais sérios", o relatório detalha como funcionava a relação com a Kentaro, ex-responsável pela exploração dos amistosos da Seleção. E traz ainda o acordo com a ISE, braço do Dallah Albaraka Group (“DAG”).

É depois desse acordo que surge a Uptrend Developments, empresa de Sandro Rosell, atualmente preso na Espanha pela suspeita de receber propina na exploração dos amistosos da Seleção. O Garcia Report cita que a Uptrend recebeu um total de US$ 8,3 milhões de dólares, referentes a 24 amistosos da Seleção. O contrato, no entanto, não obrigava a Uptrend a vender qualquer evento ou fazer qualquer coisa significativa para os amistosos da Seleção, ficando com a ISE a responsabilidade de organizar, promover e transmitir as partidas.

Por falar em Rosell, o documento cita a transferência de 2 milhões de libras para uma conta da filha de Ricardo Teixeira, em junho de 2011, quando ela tinha 10 anos. Segundo Andreas Bleicher, consultor da campanha Qatar 2022, isso não teve relação com a eleição para sede da Copa e se tratava de uma coisa "completamente privada entre Rosell e Teixeira". Bleicher acrescentou aos investigadores que "algumas pessoas fazem coisas por motivo de impostos".

"Lula é nada. Venha e me conte o que você tem para mim"

JAPÃO E INGLATERRA

Teixeira ainda aparece na investigação em torno dos processos de candidatura de Japão e Inglaterra para as Copas de 2022 e 2018, respectivamente. No contato com os ingleses, sobrou uma alfinetada até no ex-presidente Lula. Lord Triesman, representante da candidatura da Inglaterra, relatou um papo tido em 2009 com Teixeira no qual relatou admiração por Lula e o fato de o então presidente do Brasil ter se posicionado no sentido de apoiar a candidatura inglesa. Teixeira, então, respondeu, segundo o relator de Triesman: "Lula é nada. Venha e me conte o que você tem para mim". Como, segundo o próprio Triesman, Teixeira fala inglês muito mal, ficou no ar uma dúvida sobre o que ele, de fato, quis dizer com o "Venha e me conte o que você tem para mim". 

Em relação aos japoneses, Teixeira está em uma lista de membros do antigo Comitê Executivo da Fifa que receberam presentes. Os cartolas e as respectivas esposas foram destinatários de, por exemplo, pingentes, uma bola típica japonesa feita de cedro e até mesmo câmeras digitais. 

Cursos Online na área de Ciências Humanas e Sociais
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...