Seleção Brasileira: Comissão observará 15 jogos in loco na Europa

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

20/02/2017

Prática constante da comissão técnica da Seleção Brasileira, a observação de jogos in loco tem no mês de fevereiro uma agenda extensa na Europa - e no Brasil - visando o monitoramento de atletas e a convocação para a próxima rodada das Eliminatórias. 

Programada pelo coordenador Edu Gaspar, as análises de fevereiro tiveram início no dia 4 com o auxiliar técnico Sylvinho presente no jogo entre Porto e Sporting. Na segunda-feira (13), Tite, Edu Gaspar, Cleber Xavier, Fábio Mahseredjian e Taffarel iniciam a segunda etapa do projeto.

– É bom reforçar que não paramos nossas análises, apenas esperamos esse momento de bons enfrentamentos para planejar um roteiro de observações mais amplo. Tenho a certeza de que isso agregará ao trabalho que vem sendo realizado, além de ampliar nosso diálogo com as comissões técnicas dos outros clubes – disse Edu Gaspar.

Divididos em quatro frentes, os membros da comissão técnica acompanharão, além de jogos, treinos e parte da pré-temporada de dois clubes chineses na Espanha.

– Importante observar in loco porque queremos tirar nossas dúvidas em relação a casos de atletas que se se recuperaram de lesão ou tiveram um tempo de parada maior no calendário como é o caso do futebol russo e chinês – explicou o preparador físico Fábio Mahseredjian.

A quinta frente de análise fica por conta dos observadores do CPA (Centro de Pesquisa e Análise), Matheus Bachi, Fernando Lázaro e Thomaz Araújo. Eles observarão os jogos no Brasil.

Veja abaixo a agenda das análises na Europa:

Tite e Edu Gaspar

14/02 - PSG x Barcelona
15/02 - Bayern de Munique x Arsenal
16/02 - Celta de Vigo x Shakhtar Donetsk
18/02 - Hertha Berlim x Bayern de Munique
19/02 - Roma x Palermo
22/02 - Sevilla x Leicester

Cleber e Fábio Mahseredjian

14 e 15/02 - Treino Juventus
16/02 - Anderlecht x Zenit
17/02 - Treino Real Madrid
18/02 - Real Madrid x Espanyol
19 e 20/02 - Treinamentos do zagueiro Gil (Cádiz-ESP)
21 e 22/02 - Treinamentos do meiocampista R.Augusto (Marbela-ESP)

Sylvinho

04/02 - Porto x Sporting
14/02 - Benfica x Borussia Dortmund
17/02 - Juventus x Palermo
22/02 - Porto x Juventus
26/02 - Inter de Milão x Roma

Taffarel

14/02 - Benfica x Borussia Dortmund
16/02 - Treino Valencia
16/02 - Villareal x Roma
19/02 - Valencia x A.Bilbao

CPA

21/02 - São Paulo x São Bento
22/02 - Corinthians x Palmeiras
25/02 - Santos x Botafogo (SP)
25/02 - Semifinais da Taça Guanabara

Fonte: CBF

Dirigente russo acusa "BBC" de tentar atacar Copa de 2018 com documentário



17/02/2017

O chefe do Comitê de Segurança da União de Futebol da Rússia, Vladimir Markin, acusou nesta sexta-feira a emissora britânica "BBC" de tentar esvaziar a Copa do Mundo de 2018, com a exibição sobre grupos de torcedores violentos do país, que se envolveram em várias brigas na França, durante a Eurocopa.

"Se trata de um trabalho propagandístico dirigido a desacreditar a Rússia, o futebol russo e, em particular, a Copa do Mundo", garantiu o dirigente sobre o programa "Hooligan Army" (Exército Hooligan), exibido na noite de ontem, no Reino Unido.

Para Markin, o documentário tem como objetivo fazer com que o maior número de ingleses desistam de viajar para acompanhar o Mundial.

"Não há outro objetivo. Quando não há provas, qualquer maneira de fazer as coisas é boa e eles aproveitam qualquer coisa. A 'BBC' mostrou mais uma vez suas intenções ao informar sobre a Rússia", complementou o funcionário da federação.

Segundo Markin, o documentário foi baseado com testemunhos fora de contexto de "jovens idiotas", além disso, garantiu que brigas, que supostamente teriam acontecido na cidade de Rostov, foram encenadas.

Em comunicado, a Embaixada da Rússia em Londres lamentou a obra exibida e destacou que a imprensa britânica fez o mesmo antes da realização dos Jogos Olímpicos de Inverno, em Sochi, em fevereiro de 2014.

"Elementos marginais, com tendência a violência há em todas as sociedade. Aqui (Reino Unido) também não há exceções, como mostra a experiência nas ligas europeias. Na Rússia, o assunto da segurança é prioritário", diz o texto.

O documentário da "BBC" inclui depoimentos de torcedores da cidade de Oriol, que afirmaram ter participado de batalha campal contra ingleses, em Marselha, na França, durante a Eurocopa, que aconteceu no ano passado.

Recentemente, o governo da Rússia remeteu ao parlamento uma lei que endurecerá as penas contra os os torcedores violentos, o que inclui a deportação no caso de ultras estrangeiros.

Fonte: Terra

Concacaf irá discutir sobre candidatura conjunta para Copa de 2026; muro de Trump não é problema



16/02/2017

MIAMI (Reuters) - A Concacaf irá discutir uma possível candidatura conjunta para a Copa do Mundo de 2026 e o presidente do órgão disse na quinta-feira que um muro planejado na fronteira entre México e Estados Unidos não será um obstáculo para uma sede em conjunto do evento.

Victor Montagliani, falando à Reuters por telefone horas após a Fifa dizer que irá apoiar uma sede conjunta para a Copa do Mundo de 2026, disse que uma candidatura entre Estados Unidos, México e Canadá é uma opção, mas não descartou sediar os jogos na América Central ou no Caribe.

Para Montagliani, chefe do órgão que comanda o futebol na América Central, do Norte e Caribe, a recepção da Fifa sobre candidaturas em conjunto e a expansão do torneio de 32 para 48 seleções em 2016 significa que uma candidatura multinacional faz sentido.

"Especialmente com 48 seleções e a infraestrutura aumentada que isto necessita, não só de um ponto de vista de estádios, mas centros de treinamentos, hotéis e todas as outras coisas, ter a oportunidade com três ou mais países que são geograficamente próximos, seria sensato", disse.

"Provavelmente em curto prazo, aqui na Concacaf, iremos sentar em uma mesa e ver como iremos seguir em frente".

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, disse anteriormente na quinta-feira que a organização irá encorajar candidaturas para sedes multinacionais e que o evento pode ser dividido entre até quatro países.

Montagliani, quando perguntado se um torneio expandido, com 80 jogos, significa que há uma possibilidade para que alguns jogos da fase de grupos sejam realizados na América Central ou Caribe, disse que tudo é possível.

"Você precisa olhar para a economia também, pesar o custo-benefício, mas acho que as possibilidades são infinitas, para ser honesto com você, quando você tem tantos jogos", disse Montagliani. "Você não pode fechar a porta em nenhuma oportunidade."

A Copa do Mundo de 2018 será realizada na Rússia, enquanto o Catar recebe a competição em 2022.
A região da Concacaf é amplamente vista como favorita para receber o torneio de 2026, à medida que regras da Fifa restringem Europa e Ásia de receberem a competição tão cedo.

Fonte: Extra

Estrangeiros aprenderão russo para a Copa do Mundo 2018

© Sputnik/ Aleksandr Vilf

16/02/2017

O Instituto Estatal Pushkin de Língua Russa lançou o curso-online grátis para que os estrangeiros, que serão voluntários na Copa do Mundo 2018, possam aprender a língua russa.

Milhares de apreciadores do futebol de todas as partes do Mundo querem ser voluntários na Copa do Mundo 2018 que irá ocorrer na Rússia. Esperam que tenham a possibilidade de torcer pelas suas equipes e participar do grandioso evento.

O correspondente da Sputnik participou da conferência no Instituto Estatal Pushkin de Língua Russa, dedicada ao lançamento do programa da língua russa para voluntários estrangeiros.

Que conexão há entre futebol e línguas estrangeiras? Claro que é a Copa do Mundo 2018! Esportistas e fãs de todo o mundo se unem. Falta muito para a Copa do Mundo, mas os preparativos há muito tempo se iniciaram — 176 mil pessoas preencheram fichas de inscrição para participar do evento. Vale ressaltar que as fichas vieram de 190 países diferentes.

Expressando seu desejo de participar do campeonato, os voluntários perseguem vários alvos — fazer novos amigos, entender a cultura russa, aprender o idioma e, finalmente, descobrir "qual é a verdadeira cor da Praça Vermelha".

Cada um dos candidatos veio para Rússia com bagagens diferentes. Um espanhol, que desde pequeno se interessa pela cultura russa, é o orgulho de sua bela mulher russa, um francês que dá aulas de idioma em uma das escolas de Moscou, desde muito tempo aprecia com afinco o difícil idioma russo. Outra história interessante foi contada pelo voluntário do Peru, que se apaixonou pela Rússia ao conhecer a história do cosmonauta Yuri Gagarin pela televisão.

Conferência no Instituto Pushkin de Língua Russa com voluntários estrangeiros
© Foto: Aleksei Tikhomirov

A principal "frase russa em inglês"

O Instituto Estatal Pushkin de Língua Russa conta com "jovens alegres e divertidos" apontou a diretora Margarita Rusetskaya. E, claro, os participantes da conferência partilharam boa disposição e boas risadas, também graças à participação do famoso ator e humorista Sergei Belogolovtsev — um dos embaixadores da Copa do Mundo 2018 na Rússia.

"Infelizmente, o título de embaixador não permite assistir a todos os encontros da Copa do Mundo 2018. Pensei que, ao me tornar embaixador, tudo seria leve! Assistiu a todas as partidas! Mas não é bem assim", disse o ator, acrescentando que "sem dúvida alguma, para mim, esse título é uma grande alegria e orgulho. A minha alegria pode ser comparada com a de uma criança ao receber a proposta de participar deste evento. Essa oportunidade é única".

O ator partilhou sua experiência da viagem para a Copa do Mundo em Portugal, que, segundo ele, são memórias para a vida toda, uma festa alegre e comunicação inapreciável.
Sergei Belogolovtsev se dirigiu aos numerosos participantes estrangeiros do evento, fluentes em muitos idiomas, inclusive no idioma russo.

"Tenho inveja dos nossos convidados, que falam vários idiomas, pois a única coisa que lembro é ‘London is the capital of Great Britain' (Londres é a capital da Grã-Bretanha)", brincou.

"E a frase ‘Let me speak from my heart'? (Deixe-me falar com meu coração)", relembrou o visitante do Peru.

"Claro! Esta é a principal frase russa em inglesa", brinca o humorista. "Queria que a Copa do Mundo 2018 se tornasse o mais pacífico e amigável evento. Mas sejamos vigilantes! É claro que os voluntários treinarão seus músculos e estarão prontos para manter a ordem."

Voluntários de todo o mundo aprendem idioma russo no Instituto Pushkin de Língua Russa
© Foto: Aleksei Tikhomirov

O Instituto Estatal Pushkin de Língua Russa ensina russo para todo o mundo. Há políticos, empresários, e representantes da cultura que um dia foram estudantes da instituição de ensino russa. Desta vez, o instituto está repleto de voluntários.

Educação à distância será realizada no portal "Ensino em russo". Graças ao programa, os candidatos de qualquer país do mundo poderão aprender suas primeiras palavras em russo e aperfeiçoar seus conhecimentos em regime online até sua chegada à Rússia. O programa grátis especialmente elaborado para os estrangeiros foi lançado em 10 de fevereiro.

O primeiro campeonato mundial de futebol será realizado na Rússia a partir do dia 14 de junho até 15 de julho de 2018. As partidas serão realizadas em Moscou, Kaliningrado, São Petersburgo, Volgogrado, Kazan, Samara, Saransk, Rostov-no-Don, Sochi e Ekaterimburgo.

Fonte: Sputniknews

Mineirão é exceção em meio à crise dos estádios da Copa


05/02/2017

Gigante tem crescimento de 35% na exploração comercial, mas ainda não divide lucros com Estado

Administrar as 12 arenas construídas ou reformadas para a Copa do Mundo de 2014 não tem sido uma missão fácil para seus gestores. A maioria dos estádios sofre com a falta de jogos para fechar a conta e com os altos custos. O Mineirão, por sua vez, pode ser tratado como exceção.

Mesmo que ainda não tenha apresentado resultados suficientemente positivos para compartilhar receitas com o Estado – conforme prevê o contrato de Parceria Público-Privada (PPP) –, a Minas Arena, concessionária que administra o Gigante da Pampulha, comemora um crescimento de 35% de exploração comercial em 2016, em comparação a 2015. Por causa de cláusulas de confidencialidade, os valores não foram divulgados.

A melhora nos números se deve ao aumento de partidas e de shows, alguns deles, internacionais, como os do Iron Maiden e do Maroon 5. Foram realizados 54 jogos no ano passado, dez deles pelos Jogos Olímpicos do Rio, o que contribuiu para que 2016 fosse o ano com mais eventos esportivos desde a reabertura do estádio, em 2013. A Minas Arena foi contratada pela Rio 2016 para operar o estádio no período.

Dentre os embates da temporada, destaca-se o superclássico entre Brasil e Argentina, pelas Eliminatórias da Copa de 2018, com uma renda bruta de R$ 12,7 milhões, a segunda maior da história do futebol brasileiro (a primeira segue sendo os R$ 14 milhões de Atlético x Olimpia-PAR, em 2013, também no Mineirão).

Mas o estádio também conseguiu firmar contratos vantajosos, como o firmado com a empresa de bebidas Ambev. Na última quarta-feira, no clássico entre Cruzeiro e Atlético, o Mineirão anunciou uma parceira com ao energético Red Bull. “Foi um ano brilhante para o Mineirão. Distribuímos mais de R$ 18 milhões de reais para os clubes mineiros, só em renda de bilheteria. O Mineirão foi o estádio que mais recebeu torcedores em todo o Brasil. Passamos da marca de 1 milhão e, em 2016, comemoramos a marca de mais de 4 milhões de torcedores desde a abertura”, destacou o diretor comercial da Minas Arena, Samuel Lloyd.

Contas. Para começar a dividir o lucro da PPP com o Estado, o Mineirão pretende chegar à marca de 60 partidas anuais, evitando deduções no repasse. Em abril de 2016, o governo passou a descontar até 60% do valor da parcela mensal, conforme previsto em contrato. São quase R$ 3 milhões a menos todo mês, o que já totaliza pouco mais de R$ 28 milhões, valor que considera as parcelas de novembro e dezembro, já processadas, mas com quitação prevista para este mês.

Em outubro, por sua vez, o desconto foi menor (de R$ 377 mil), em razão dos resultados positivos obtidos nas Olimpíadas. Essa foi a segunda vez que a Minas Arena operou no azul. A primeira aconteceu em novembro de 2014, mês da final da Copa do Brasil, entre Cruzeiro e Atlético.

“O patamar do resultado positivo não é suficiente para levar a uma divisão de lucros que, de acordo com o contrato, só acontece quando esse saldo é acima da margem operacional esperada e projetada no início da operação para cada montante de receita”, reiterou a Secretaria de Estado de Esporte, por nota.

MINIENTREVISTA

Samuel Lloyd, diretor comercial da Minas Arena

Foto: Pedro VilelaAgência I7
O que é preciso fazer para atrair mais jogos, especialmente, do Atlético?

O Mineirão está sempre de portas abertas. São questões de negociação. O Atlético, normalmente, não joga aqui porque tem questões técnicas envolvidas, mas a decisão fica a cargo do clube.

Qual é a conta para que Mineirão possa dar lucro aos clubes?

Na verdade, o Mineirão já dá muito lucro para os clubes. A conta é simples: eles pagam, basicamente, o custo da operação. Hoje, a partir de 12,3 mil torcedores, o clube sai com dinheiro, com faturamento líquido da receita. O Mineirão é um estádio muito viável para público de vários tamanhos. Se a gente fechar setores, ele fica mais viável ainda.

Por que os clubes não têm participação na venda dos estacionamentos e dos bares?

Isso não é uma verdade, depende da negociação. O Villa Nova, no ano passado, teve participação no estacionamento. O contrato de fidelidade do Cruzeiro também cobre ganhos nos estacionamentos e nos bares. Estamos abertos e flexíveis (no clássico, por exemplo, os clubes arcaram com 70% das despesas e, a Minas Arena, com os outros 30%).

Vocês conseguiram melhorar os números, mas ainda continuam tendo descontos no repasse do governo. Como equilibrar?

O ano de 2016 foi o de melhor exploração comercial. Isso quer dizer que, tirando a parcela do governo, foi o ano que o Mineirão conseguiu mais receitas advindas de publicidade, patrocínios e venda dos nossos espaços, as áreas VIPs. O Mineirão Tribuna foi um sucesso. Com relação à redução do repasse do governo, isso tem a ver com uma fórmula do contrato de PPP que foi baseada numa estimativa de 60 jogos por ano. A gente precisa sim, atrair mais jogos, para que essa conta fique mais equilibrada.

O que o Mineirão pode oferecer além dos jogos, com relação a shows, uso da esplanada etc?

Vamos priorizar o calendário do futebol. As datas que o Atlético quiser jogar no Mineirão estarão garantidas. E, em segundo lugar, queremos trazer grandes eventos internacionais. Além disso, temos um parceiro, que fechou com a gente no ano passado e que, neste ano, vai trazer novidades na esplanada. A ideia é trazer mais entretenimento para antes dos jogos e para que o público entre mais cedo. Serão atrações culturais, ativações de marca, promoções de produtos, cerveja, espetinho.

Fonte: O Tempo

Fifa rejeita recurso e mantém punição à Bolívia nas Eliminatórias

Claudio Reyes/AFP

04/02/2017

A Fifa anunciou nesta sexta-feira (03) que rejeitou o recurso e manteve a punição à Bolívia nas Eliminatórias da América do Sul para a Copa do Mundo de 2018. A seleção do país perdeu os pontos conquistados contra Chile e Peru por escalar o jogador Nelson Cabrera irregularmente.

Nos duelos em questão, a Bolívia havia vencido o Peru por 2 a 0 no dia 1º de setembro de 2016 e, cinco dias depois, empatado por 0 a 0 com o Chile. Com a punição mantida, a Fifa declarou os dois jogos com o placar de 3 a 0 a favor dos adversários dos bolivianos.

Nascido no Paraguai, Nelson Cabrera defendeu o time boliviano nas duas partidas, o que rendeu uma denúncia das federações do Chile e do Peru. Na reclamação feita à Fifa, os denunciantes disseram que Cabrera não vive há cinco anos na Bolívia, período mínimo exigido pela entidade para aceitar a naturalização de um atleta.

Desta forma, a classificação das Eliminatórias não sofre novas alterações. Com os quatro pontos perdidos, a Bolívia segue com sete, na nona colocação. O Peru tem 14 e é o sexto, enquanto que o Chile só está na zona de classificação para a Copa - é o quarto colocado com 20 - por conta dos dois pontos herdados no confronto.

No comunicado, a Fifa ainda informa que manteve a multa de 12 mil francos suícos (cerca de R$ 40 mil) à Bolívia por violação ao parágrafo 1º do artigo 55 do Código Disciplinar da FIFA (FDC) e do artigo 8º do Regulamento da Copa do Mundo da Rússia-2018. Os dois tratam de violação das regras de elegibilidade para jogar nas equipes nacionais.

Fonte: UOL

500 belos e tensos dias para a Copa do Mundo na Rússia

Escultura no gelo russo mostra: faltam 500 dias para a Copa do Mundo
GETTY

03/02/2017

Por Gustavo Hofman, com colaboração de Grigory Telingater, de Moscou 

"Noites Brancas" é um dos mais belos textos de Fiodor Dostoiévski. No livro, o genial autor descreve o fenômeno das noites claras em São Petersburgo através do amor e da força da juventude. Conta que "era uma noite maravilhosa, uma dessas noites que apenas são possíveis quando somos jovens". Conduz o leitor a procurar o infinito ao descrever o céu "tão cheio de estrelas, tão luminoso", mas rapidamente o devolve ao mundo material com o questionamento de "que quem erguesse os olhos para ele se veria forçado a perguntar a si mesmo: será possível que sob um céu assim possam viver homens irritados e caprichosos?" O próprio Dostoiévski finaliza ao revelar que "a própria pergunta é pueril, muito pueril".

No mundo da literatura, Fiodor Dostoiévski, Aleksandr Púchkin, Leon Tolstói, Nikolai Gogol, Anton Tchekhov, entre outros escritores russos, forneceram à humanidade algumas das maiores obras já escritas. Com o céu de São Petersburgo, mas sem a mesma arte dos gênios citados, talvez com a apreensão de algumas obras, a Rússia quer organizar daqui 500 dias, entre 14 de junho e 15 de julho de 2018, uma Copa do Mundo impactante.

Tudo isso com o país ainda enfrentando grave recessão, barreiras econômicas internacionais e em situação de guerra na Síria e na Ucrânia. Mesmo assim, o Governo estipulou no orçamento federal para o triênio 2017-19 investimentos de 156.4 bilhões de rublos (8.2 bilhões de reais) no Mundial.

É bem verdade que o cronograma de entrega de estádios e outras obras de infra-estrutura está bem adiantado, mas alguns escândalos já marcaram a Copa de 2018 na Rússia, apesar de Vitaliy Mutko, Todo Poderoso do esporte russo, negar qualquer problema.

"Um relatório foi preparado sobre a Copa do Mundo e eu apresentei com detalhes. Tinha todos detalhes operacionais, desde a Copa das Confederações, a apresentação do mascote, o lançamento do programa de voluntários e um documento sobre a infra-estrutura. Estádios, hotéis, aeroportos, tudo foi considerado em detalhes. Nenhuma questão ficou pendente. Acredito que esse seja o primeiro campeonato preparado pela Fifa de maneira calma e sem problemas", afirmou recentemente à agência Tass.

Mutko é presidente do Comitê Local da Copa, máximo mandatário da Federação Russa de Futebol, ex-Ministro dos Esportes e atualmente vice-primeiro Ministro, cargo criado especialmente para ele em outubro do ano passado.

Entre 17 de junho e 2 de julho deste ano a Rússia receberá a Copa das Confederações. São Petersburgo, Moscou, Sochi e Kazan sediarão as partidas, e justamente a nova casa do Zenit tem sido o motivo de preocupação do Comitê Local, a ponto do presidente nacional, Vladimir Putin, classificar o atraso como "uma triste história".

Mas o cronograma dos estádios não está sendo cumprido? Está, com exceção de São Petersburgo.

Às margens do Rio Neva, na ilha de Krestrovsky, o novo estádio terá capacidade para 68.134 torcedores e está em obras há incríveis dez anos. O orçamento já superou R$ 2.3 bilhões e no ano passado o governo demitiu em julho a empreiteira Transstroy, responvável pela construção e acusada também de desvios de verbas públicas.

Apesar das negativas públicas dos dirigentes de temor com o prazo para a Copa das Confederações, a situação gerou muita preocupação na Fifa. Entre os cidadãos russos, o caso é tratado como uma vergonha nacional exposta para o mundo todo. Ao menos nos outros estádios a história é mais tranquila.

"Os novos estádios são realmente muito modernos, bonitos, grandes . Ainda não tive oportunidade de jogar em todos, mas nos que eu joguei a atmosfera foi algo impressionante", relata o meia Giuliano, destaque do Zenit e presente em todas convocações do técnico Tite para as eliminatórias. "Há uma movimentação bastante grande nas ruas, correções de asfalto, novas construções de pontes para facilitar o acesso, novo estádio ficando pronto. São muitos detalhes ainda para ajustar, mas São Petersburgo já vive a Copa do Mundo", completa.

Fonte: ESPN

A 500 dias do torneio, Fifa divulga logo da Copa das Confederações

Fifa apresenta logo da Copa das Confederações
Foto: Reprodução/Instagram

03/02/2017

Troféu inspira desenho, que tem pássaro de fogo com protagonista. Competição começa em 17 de junho do ano que vem e ainda tem dois participantes a definir

Em meio à crise institucional surgida no ano passado, a Fifa segue sua preparação para o próximo grande torneio que organizará: a Copa das Confederações, no ano que vem. Nesta quarta-feira, a entidade divulgou o logotipo da competição, a 500 dias de seu início. O desenho teve inspiração no troféu que será dado ao campeão da disputa entre seis campeões continentais, a Alemanha (vencedora da Copa de 2014) e a anfitriã russa.

Segundo a explicação da Fifa, o logo apresenta diversas referências ao torneio e à cultura russa. Um pássaro de fogo é representado nas partes superior e inferior do desenho, com cabeça, penas e cauda, fazendo uma "metamorfose para uma bola mágica", que aparece no logo da Copa de 2018. Além disso, oito pontos vermelhos representam os oito participantes da competição.

- O logo oficial e o design do torneio estão inspirados na riqueza cultural e a tradição oral da Rússia. A forma do troféu inspirou o desenho, que está encarnado por um ser mitológico, o pássaro de fogo, seu principal protagonista. A marca reflete as características mais positivas do esporte e, usada de maneira efetiva, servirá tanto para promover o torneio como garantir que todo aquele que participe aproveite uma experiência única - disse o diretor de Marketing da Fifa, Thierry Weil.

Inspirado em troféu, desenho traz pássaro de fogo (Foto: Divulgação/Fifa.com)

A Copa das Confederações será realizada de 17 de junho a 2 de julho de 2017, na Rússia. Já têm participação confirmada a anfitriã Rússia, a campeã mundial Alemanha, além de quatro campeões continentais: Chile (América do Sul), Austrália (Oceania) e México (Américas Central e do Norte). Ainda neste ano será definido o campeão da Eurocopa, e, em janeiro de 2017, o vencedor da Copa das Nações Africanas. 

O torneio terá quatro sedes, que também estarão presentes no Mundial de 2018: Kazan, Moscou, Sochi e São Petersburgo. O sorteio oficial dos grupos será realizado em 26 de novembro, em Kazan.

Taça da Copa das Confederações é exibida na Rússia (Foto: AP Photo/Ivan Sekretarev)

Amistoso rende cerca de R$ 5 milhões à Chapecoense

Chamado de 'Jogo da Amizade', amistoso Brasil x Colômbia teve homenagens aos 
sobreviventes da tragédia com a Chapecoense e também ao povo colombiano
Foto: Getty Images

26/01/2017

Emoção à parte, pela homenagem às vítimas do acidente com o voo da Chape, em 29 de novembro, o amistoso da noite de quarta (25) entre Brasil e Colômbia rendeu ao clube catarinense em torno de R$ 5 milhões. Isso porque a TV Globo, em parceria com 13 dos seus patrocinadores, abriu mão do dinheiro pela transmissão da partida, em torno de R$ 3,8 milhões, quantia destinada à Chape.

Como a renda, na bilheteria, passou de R$ 1,2 milhão e seria toda revertida para o clube, restaria ainda o arrecadado com os ingressos solidários – uma ideia da CBF de vender bilhetes virtuais para quem quisesse ajudar a família das vítimas do desastre sem ir ao Engenhão, no Rio. O acréscimo, na soma geral, em razão dessa iniciativa não alteraria muito os números finais.

A Chapecoense vai dividir todos esses valores entre os familiares das vítimas do acidente que tinham relação direta com o clube – atletas, integrantes da comissão técnica e dirigentes. Sua diretoria tem promovido reuniões sistemáticas com parentes dos que morreram na queda do avião para discutir a melhor maneira de atender cada demanda – divisão dos valores de eventos beneficentes, salários e premiações pendentes e indenizações.

“Nosso lema é a correção e seremos corretos com todos. Estamos fazendo isso com respeito e muita dignidade e não se trata de nenhum favor, é a nossa obrigação”, disse o presidente da Chapecoense, Plínio David de Nês Filho, o Maninho, durante o jogo em que o Brasil derrotou a Colômbia por 1 a 0.

Fonte: Terra

Brasil vence Jogo da Amizade contra Colômbia e lidera o ranking da Fifa

Dudu é saudado por Diego Souza, Fagner e Lucas Lima depois de balançar as redes no Engenhão
Vanderlei Almeida/AFP

26/01/2017

Com gol de Dudu, no segundo tempo, Seleção faz 1 a 0 no Engenhão

O Estádio Nilton Santos viveu uma noite especial nesta quarta-feira. Brasil e Colômbia mais uma vez se uniram pelas famílias que perderam parentes e sofreram com a queda do avião LaMia em 29 de novembro na região de Antióquia, na Colômbia. O Jogo da Amizade lembrou não só dos que se foram, como dos sobreviventes ao trágico acidente e serviu para arrecadar toda a receita possível, seja com bilheteria ou patrocinadores, para que a Chapecoense possa indenizar a tantos familiares que ficaram desamparados.

Apesar do clima amistoso, a Seleção Brasileira não interrompeu sua boa fase e venceu a partida por 1 a 0 graças a gol de Dudu. O placar era o que menos interessava no Rio de Janeiro, mas, quer queira quer não, teve reflexos importantes. Com a vitória, o Brasil retomou a posição de líder do ranking da Fifa ao desbancar a Argentina e acabar com um jejum que perdurava desde maio de 2010.

Além disso, Tite segue sua caminhada surpreendente à frente da Seleção pentacampeã. O ex-técnico do Corinthians alcançou sua sétima vitória seguida. Vale lembrar que o Brasil é líder das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, com 27 pontos. Os colombianos ocupam a sexta posição, com 18 pontos, um a menos que a Argentina, que hoje iria à repescagem.

A próxima convocação de Tite será realizada no início de março e não terá nenhuma restrição. A Seleção volta a disputar as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 em 23 de março, contra o Uruguai, em Montevidéu, e em 28 de março, diante do Paraguai, em São Paulo.

Emoção

Apesar das seleções de Brasil e Colômbia entrarem em campo nesta quarta, os protagonistas do Jogo da Amizade não vestiram uniformes e nem calçaram chuteiras. Em um cenário todo especial, com efeitos especiais de luz, Jackson Follmann, Neto, Alan Ruschel e Rafael Henzel foram saudados pelos torcedores presentes no estádio do Botafogo e causaram uma comoção generalizada. Após o hino da Chapecoense dar o tom, os sobreviventes brasileiros do trágico acidente aéreo envolvendo a delegação catarinense foram homenageados com placas e receberam flores das mãos dos jogadores brasileiros.

Em seguida, o os hinos nacionais de Brasil e Colômbia foram entoados com todos os atletas abraçados de forma intercalada e com crianças vestidas com o uniforme da Chape à frente. Antes da bola rolar, ainda, já com apenas os jogadores no círculo central, todo o estádio foi convocado para um minuto de aplausos ao invés do silêncio.

Bola rolando

Com o apito do árbitro argentino, o Jogo da Amizade começou para valer e sem muito clima de amistoso, principalmente pelo fato dos colombianos estarem em campo com o que tinham de melhor, diferente dos donos da casa, que contavam apenas com atletas que atuam no Brasil, mas tinham a seu favor o apoio das arquibancadas.

Mesmo assim, Borja, carrasco do São Paulo na última Libertadores da América, foi o primeiro a assustar em chute defendido por Weverton. A resposta dos pentacampeões veio com Willian Arão, que perdeu grande oportunidade dentro da área. A Seleção de Tite, então, passou a dominar as ações e o gol só não saiu porque González fez bela intervenção em finalização de Lucas Lima.

Entretanto, o grande lance antes do intervalo foi mesmo dos visitantes. Uribe, famoso por ser implacável na marcação, apareceu como elemento surpresa dentro da área brasileira e só não correu para o abraço porque a trave impediu. Sorte de Weverton e do Brasil.

Antes da etapa final começar, os flamenguistas que estavam nas arquibancadas fizeram muita festa, já que José Pékerman decidiu colocar Berrío em campo. O atacante está muito próximo de se tornar o grande reforço dos rubro-negros para a temporada 2017. Jorge e Diego, dois que já defendem o Flamengo, também entraram na Seleção Brasileira. A lamentação veio pela saída de Robinho, que precisou ser sacado por causa de dores lombares e, assim, não pôde reeditar a dupla com o velho amigo.

Mas, a substituição que mais surtiu efeito foi a de Willian Arão por Rodriguinho. O meio-campista corinthiano se aproveitou de seu entrosamento com Fagner e logo no primeiro minuto a dupla do Timão fez a jogada que acabou com o gol do palmeirense Dudu, que teve puro oportunismo em rebote de Diego Souza.

Nos minutos seguintes, Tite e Pékerman se utilizaram da autorização para fazer seis substituições cada um. Com tantas trocas, o jogo caiu de rendimento, ficou mais lento e o desentrosamento de ambos os times era evidente. O clima muito distante do de uma competição também colaborou para um certo marasmo, que só era quebrado em um lance ou outro quando uma das duas seleções conseguia encaixar um contra-ataque. Assim o Jogo da Amizade caminhou até o apito final. Para o Brasil, a vitória rendeu a liderança do ranking da Fifa, mas, para a vida ficou a lição de humanidade deixada pelos dois países por meio do futebol.

Sobreviventes do acidente aéreo, Follmann, Alan Ruschel e Neto foram homenageados no gramado
Vanderlei Almeida/AFP

BRASIL 1 x 0 COLÔMBIA

BRASIL

Weverton; Fagner, Geromel, Rodrigo Caio e Fábio Santos (Jorge); Wallace, Willian Arão (Rodriguinho) e Lucas Lima (Gustavo Scarpa); Robinho (Diego), Dudu (Camilo) e Diego Souza (Luan)
Técnico: Tite

COLÔMBIA

David González; Bocanegra, Felipe Aguilar, Tesillo e Farid Díaz (Balanta); Uribe, Abel Aguilar (Cuéllar) e Macnelly Torres (Santiago Montoya); Teo Gutiérrez (Berrío), Copete (Hernández) e Borja (Rangel)
Técnico: José Pékerman

Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 25 de janeiro de 2017, quarta-feira
Árbitro: Jorge Ignacio Baliño (ARG)
Assistentes: Lucas Andres Germanotta e Gabriel Alfredo Chade (Ambos da Argentina)
Cartões amarelos: BRASIL: Geromel, Lucas Lima, Rodrigo Caio. COLÔMBIA: Abel Aguilar
Renda: R$ 1.219.675,00
Público: 18.695 pagantes
GOL: Dudu, 1min do 2ºT

Fifa fará sorteio da Copa 2018 no Kremlin

Sorteio ocorrerá no Palácio Estatal do Kremlin, com capacidade para 6 mil pessoas

25/01/2017

Evento está agendado para 1º de dezembro de 2017

O vice-primeiro-ministro da Rússia, Vitaly Mutko, revelou nesta segunda-feira que o sorteio da Copa do Mundo de 2018 será realizado dentro do Kremlin, em Moscou. O evento está agendado para 1º de dezembro de 2017 e servirá para determinar os grupos do torneio.

O sorteio ocorrerá no Palácio Estatal do Kremlin, com capacidade para 6 mil pessoas e que foi construído dentro do Kremlin na era soviética para receber os encontros do Partido Comunista. Hoje em dia, o local costuma ser o palco de shows de estrelas pop, apresentações de balé e eventos para entrega de prêmios.

No que foi classificado por Mutko como "um evento sério" durante uma reunião do governo russo nesta segunda-feira, o sorteio no Palácio Estatal Kremlin deverá atrair a presença dos treinadores das 32 seleções que se classificaram para a Copa do Mundo de 2018, ansiosos por saber em quais grupos suas respectivas equipes vão jogar.

O presidente russo, Vladimir Putin, tem permitido que a Fifa utilize as instalações estatais para os eventos da Copa do Mundo. Em julho de 2015, o sorteio das Eliminatórias foi realizado no Palácio de Konstantin, perto de São Petersburgo, uma das residências de Putin. A casa de verão foi construída por Pedro I da Rússia, que reinou entre os séculos XVII e XVII.

A Copa do Mundo na Rússia começará em 14 de junho de 2018 no Estádio Luzhniki, em Moscou, que também será o palco da decisão do torneio, em 15 de julho.

Operação 2018: Brasil pega Colômbia com novatos de olho em vaga na Copa

Tite conversa com os convocados: quatro estreantes no time titular e muitos 
outros sonhando também com a Copa do Mundo de 2018 (Foto: André Durão)

25/01/2017

Ao menos dez jogadores estrearam em partidas com só atletas que atuam no Brasil e chegaram ao Mundial pouco depois. Chance para Weverton, Geromel, Arão e cia

O amistoso desta quarta-feira entre Brasil e Colômbia mistura homenagem e oportunidade. A renda da partida será totalmente revertida para os familiares das vítimas do voo da Chapecoense. Ao mesmo tempo, um grupo de 23 jogadores que atuam no futebol brasileiro querem mostrar a Tite que podem defender a Seleção principal. E, por que não, sonhar com a Copa do Mundo? A bola rola às 21h45 (de Brasília), no Engenhão. A TV Globo, o SporTV e a Rádio Globo transmitem; o GloboEsporte.com acompanha em tempo real.

Exemplos não faltam aos novatos da lista. Por se tratar de um amistoso marcado fora da data Fifa, a comissão técnica só recorreu a jogadores de clubes nacionais. Isso aconteceu poucas vezes nos últimos anos, mas sempre rendeu um ou outro "reforço" ao treinador.

Pelo menos dez jogadores que estrearam pela Seleção neste século justamente em partidas com restrição de atletas que atuam no Brasil chegaram a Mundiais nos anos seguintes. 

Em fevereiro de 2002, por exemplo, o zagueiro Anderson Polga, o volante Kleberson e o jovem meia Kaká foram testados por Luiz Felipe Scolari num amistoso contra a Bolívia.  Meses depois, estavam levantando a taça mais cobiçada do planeta, após a final contra a Alemanha, no Japão.

Formação treinada por Tite que vai começar o 
amistoso desta quarta (Foto: Arte: GloboEsporte.com)
O lateral-direito Cicinho e os atacantes Fred e Grafite debutaram na despedida de Romário em 2005, no Pacaembu. A vitória por 3 a 0 sobre a Guatemala foi morna, mas os três chegaram à Copa do Mundo. Cicinho e Fred já no ano seguinte, com Parreira, e Grafite em 2010, com Dunga. 

Em 2011 e 2012, CBF e AFA organizaram o Superclássico das Américas, entre Brasil e Argentina, e impuseram a restrição: só jogadores que atuavam nos dois países poderiam ser escalados. Mano Menezes, que seria demitido logo depois da taça de 2012, lançou nesses embates quatro que disputaram a Copa-2014: o goleiro Jefferson, o volante Paulinho, o meia Oscar e o atacante Bernard.
Na equipe titular que vai a campo nesta quarta-feira, quatro nunca jogaram pela Seleção principal: Weverton, Fagner, Geromel e Willian Arão. No banco, mais nove: Muralha, Danilo Fernandes, Vitor Hugo, Luan Garcia, Jorge, Rodriguinho, Henrique, Camilo, Scarpa e Luan.

– Não sabia disso. Sem dúvida, todo jogador sonha em chegar na Seleção e numa Copa do Mundo. Estou preparado e vou me preparar mais ainda mentalmente para fazer uma grande apresentação com meus companheiros para que possamos sim deixar uma dúvida na cabeça do professor. E me firmar na Seleção também, que é o mais importante – frisou Arão.

A próxima convocação sem restrições será feita no início de março, para os jogos dos dias 23 e 28 deste mesmo mês, contra Uruguai e Paraguai, pelas eliminatórias. Ter seu nome falado por Tite novamente é tudo que esses jogadores querem. Para eles, o amistoso vale bastante.

Téo Gutiérrez, atacante da Colômbia, conversa com técnico José Pekerman 
Foto: Daniel Mundim

COLÔMBIA

O adversário do Brasil levou a sério todos os componentes do Jogo da Amizade, do lado emotivo ao esportivo. Enaltecem a homenagem que será feita e a memória das vítimas da tragédia, mas também reforçam que o amistoso é uma oportunidade para vários jogadores. Dos 20 convocados, 12 não estavam na última lista de José Pekerman e cinco são estreantes.

O técnico argentino não mudou sua postura, mesmo diante de um amistoso de caráter mais humano. Dos três treinos no Rio de Janeiro, fechou as portas à imprensa em dois e só falou com os jornalistas no desembarque. Com base no trabalho realizado em seu primeiro treino, a tendência é de escalar os mais experientes.

* Colaborou Daniel Mundim

FICHA TÉCNICA

Brasil: Weverton, Fagner, Geromel, Rodrigo Caio e Fábio Santos; Walace; Willian Arão, Lucas Lima, Dudu e Robinho; Diego Souza. Técnico. Tite

Colômbia: David González, Bocanegra, Felipe Aguilar, Quintero e Farid Díaz; Abel Aguilar, Uribe e Macnelly Torres; Borja, Copete e Téo Gutiérrez. Técnico: José Pekerman

Data: 25/01/2017 
Horário: 21h45 (de Brasília) 
Local: Estádio Nilton Santos (Engenhão), no Rio de Janeiro 
Árbitro: Jorge Baliño (ARG) 
Auxiliares: Lucas Germanotta e Germán Chade (ARG) 
Transmissão: TV Globo (com Galvão Bueno, Casagrande, Junior, Leonardo Gaciba e Rafael Henzel), SporTV (com Luiz Carlos Jr, Muricy Ramalho e Lédio Carmona) e Rádio Globo (com Luiz Penido, Dé, Gustavo Henrique e Rafael Marques). O GloboEsporte.com também acompanha em Tempo Real.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...