Seleção Brasileira: Tite e Edu definem comissão técnica da Principal

Créditos: Lucas Figueiredo / MoWa Press

24/07/2016

Em visita à Seleção Olímpica na Granja Comary nesta quarta-feira (20), a dupla da Seleção Principal, formada pelo técnico Tite e o coordenador Edu Gaspar, aproveitou a oportunidade para anunciar alguns nomes da comissão técnica da equipe.

Responsável por fazer o anúncio à imprensa, Edu Gaspar começou relembrando os nomes já definidos anteriormente, dos auxiliares Cléber Xavier e Matheus Bacchi, para depois revelar: Silvynho, ex-jogador e auxiliar técnico, que será convocado para as partidas da Seleção Brasileira; Fábio Mahseredjian, preparador físico mantido no cargo, mas agora contratado em tempo integral da CBF; Taffarel, que também permanece como preparador de goleiros; Rodrigo Lasmar, o médico.

– Nossa ideia com esta definição é que todos nos ajudem em suas áreas mesmo em períodos sem convocação. Cada um tem uma função específica. O caso do Fábio, por exemplo, é importante termos informações de como estão os jogadores. Não podemos receber um atleta fora do peso ou voltando de lesão, fora de ritmo, para um período curto de convocação – explicou Tite.

No dia em que completavam um mês à frente da Seleção Brasileira, os dois ainda fizeram um balanço do que já foi realizado neste período, com uma série de jogos assistidos, seja em vídeo ou in loco, além dos nomes de técnicos que foram consultados durante estes 30 dias.

Fonte: CBF


Eliminatórias: Tite observa Seleção Olímpica pensando na disputa por uma vaga na Copa

Tite acompanha de perto a preparação da Seleção Olímpica (Foto: AFP)

24/07/2016

Devido ao pouco tempo para treinar, técnico poderá utilizar os jogadores que forem bem no Rio-2016 aproveitando seu entrosamento

A proximidade de Tite com a Seleção Olímpica tem outro objetivo, além do de colaborar com o técnico Rogério Micale. O treinador visa o próprio trabalho. Se a equipe que disputará os Jogos do Rio for bem-sucedida, uma boa parte dos 18 jogadores que se prepara atualmente na Granja Comary poderá se tornar presença constante na Seleção Principal. E já a partir das partidas de setembro pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018, contra Equador e Colômbia.

Tite acompanhou o treino de quinta-feira da seleção olímpica e pretende se fazer presente outras vezes até o fim da participação dos Jogos do Rio - confirmou que irá assistir à estreia nos Jogos, dia 4 de agosto, contra a África do Sul, em Brasília. E vai manter um integrante da sua comissão técnica sempre perto do time de Micale. O auxiliar Cleber Xavier, por exemplo, estava na quinta em Teresópolis.

POSSIBILIDADE

O treinador admitiu recorrer ao elenco olímpico a partir da primeira convocação, embora não tenha revelado em que escala. "O que posso afirmar é que farei o acompanhamento da performance dos atletas", disse.

Ser bem-sucedido, esclareceu Tite, não é obrigatoriamente ganhar o ouro. Ele busca jogadores que sobressaiam tecnicamente, mas também demonstrem personalidade. Os "veteranos" Neymar, Fernando Prass e Renato Augusto de certa forma estão livres dessa prova. Mas jogadores como Gabriel Jesus, Gabriel, Rodrigo Caio, Douglas Santos, Walace e Felipe Anderson, e até Marquinhos e Rafinha Alcântara serão observados bem de perto por Tite.

Outro sinal de que o técnico conta com os olímpicos foi o pedido feito ao presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, para que solicite à Fifa permissão para adiar a convocação que fará para os jogos das Eliminatórias de 15 para 22 de agosto. Isso porque ele espera que no dia 15 o time de Micale ainda esteja envolvido na disputa pela medalha de ouro - nesse caso jogaria em 17 de agosto pelas semifinais - e não quer atrapalhar a concentração dos atletas. A Fifa ainda não respondeu.

ENTROSAMENTO

Um terceiro fator a favor da turma da Olimpíada é o pouco tempo para treinamentos que Tite terá na seleção principal. Antes do jogo de 1º de setembro contra o Equador, em Quito, serão apenas dois dias de preparação. Por isso, contar com uma base já entrosada é alternativa que está sendo estudada.

No entanto, a falta de experiência da garotada nas Eliminatórias está sendo considerada. Tite sabe ser necessário ter jogadores "cascudos'" no grupo. Por isso, irá nas próximas semanas à Europa e talvez aos Estados Unidos (onde haverá um torneio amistoso de pré-temporada com participação de vários times europeus que têm jogadores brasileiros) para observar potenciais convocados e buscar informações sobre a maneira como atuam em seus clubes. Pretende ver se eles se encaixam na filosofia que vai implantar.

Fonte: Futebol Interior


Rumo a 2018: Seleções tradicionais apostam em novos comandantes para a próxima Copa


24/07/2016

Após a Copa América Centenário e a Euro 2016, muitas seleções viram o fim do ciclo com seus treinadores. Alguns, muito campeões, outros, não deram certo. Analisamos as principais trocas recentes nos comandos das seleções e respondemos: quem ganha mais e quem perde mais?

Brasil

As constantes reformulações na param após o 7 a 1 sofrido na Copa do Mundo de 2014. A seleção pentacampeã do mundo teve, de maneira surpreendente, o retorno de Dunga ao comando da equipe. Ele já havia sido técnico de 2006 a 2010 e voltou após o fracasso no Mundial. Na segunda passagem, acumulou resultados ruins, incluindo duas eliminações precoces nas Copas América 2015 e 2016.

Com os resultados ruins Dunga acabou demitido. Depois de muito clamor nacional, Tite se tornou técnico da seleção. A missão do novo comandante não será nada fácil. O Brasil tem pela frente as eliminatórias para Copa do Mundo de 2018. São pelo menos sete equipes para quatro vagas diretas e mais uma extra, em que o quinto colocado terá que enfrentar um adversário da Oceania.

Argentina

Os últimos insucessos em finais – derrota na Copa do Mundo em 2014 e Copa América 2015 e 2016 – trouxeram consequências drásticas para os hermanos. De uma só vez viram seu maior astro, Messi, anunciar sua aposentadoria da seleção, e Tata Martino, comandante nos fracassos da equipe nas competições continentais, pedir o boné e sair da albiceleste.

O jogador ainda pode ser demovido de sua decisão, mas Tata, de fato, está fora. Para seu lugar, o nome que ganha mais força no momento é o de Edgardo Bauza, atual técnico do São Paulo.

Itália

Antonio Conte assumiu a equipe após o fracasso na Copa de 2014. O treinador multicampeão na Juventus não só conseguiu recolocar a seleção novamente entre as melhores da Europa, como praticamente “tirou leite de pedra”. Ele fez a azurra jogar um belo futebol, vencendo adversários como Espanha e Bégica, com jogadores medianos.

Foto: Divulgação

O treinador deixou a Itália para assumir o Chelsea. Para seu lugar foi contratado o experiente Gian Piero Ventura, de 68 anos. O técnico vem do Torino e nunca trabalhou em grandes equipes na carreira.

Espanha

Depois de conquistar a Eurocopa em 2008 – com Luis Aragonés no comando – e 2012, além da Copa do Mundo em 2010, a Fúria não voltou a brilhar. Perdeu a Copa das Confederações para o Brasil em uma final na qual acabou derrotada por 3 a 0. No Mundial do ano seguinte, amargou a eliminação ainda na primeira fase do torneio, com direito a uma goleada vexatória de 5 a 1 sofrida diante da Holanda. Na Euro desse ano, passou em segundo em seu grupo, mas sem empolgar. Nas oitavas, foi eliminada para Itália e viu a equipe rival dominar amplamente o jogo.

Após os recentes insucessos, o técnico Vicente del Bosque, comandante nas conquistas mais recentes, acabou deixando o cargo. Para seu lugar foi contratado Julen Lopetegui, ex-comandante do Porto.

Inglaterra

Já são muitos anos sem uma conquista ou, ainda, um bom resultado em competições importantes. A cada torneio a seleção inglesa acumula fracassos. O último aconteceu na Eurocopa 2016. O time que foi comandado por Roy Hodgson e já havia passado com certa dificuldade da fase de grupos. O English Team foi eliminado pela Islândia, país de pouca tradição no futebol.

A frustração na competição continental gerou a saída de Hodgson da seleção. Para seu lugar foi contratado Sam Allardyce, que tem como objetivo não só conduzir os ingleses para à próxima Copa, mas também alcançar ao menos uma boa colocação no torneio.

Bélgica

A tão falada e promissora equipe da Bélgica decepcionou nos últimos anos. Essa é considerada a melhor safra de jogadores de futebol da história do país, ficou conhecida como a “ótima geração belga”. Mas toda a expectativa criada ao seu redor não chegou aos gramados.

De Bruyne, Lukaku, Kompany e a estrela do time, Hazard, foram alguns dos nomes que passaram pelas mãos do técnico Marc Wilmots. Considerado o maior jogador belga de todos os tempos, Wilmots não conseguiu nenhum resultado de expressão com a seleção enquanto foi técnico. Como melhores feitos, chegou às quartas de final tanto na Copa do Mundo de 2010, quanto na Euro desse ano.

A Federação de Futebol Belga ainda não anunciou o substituto de Wilmots.

Rússia

Essa seleção entra na lista por ser o país sede do próximo Mundial, em 2018. A equipe que foi comanda durante três anos por Fábio Capello busca voltar a brilhar no mundo do futebol, pois a coisas por lá não andam nada bem.

Mesmo tendo que pagar uma multa rescisória de 20 milhões de euros (R$ 77 milhões), a RFU (União Russa de Futebol) decidiu demitir o italiano antes do fim de seu contrato, em julho do ano passado. Esse episódio deixou as contas da federação completamente arruinadas, com uma dívida total de quase 40 milhões de euros (R$ 154 milhões).

Em caráter emergencial, Leonid Slutsky acumulou as funções de treinador do CSKA Moscou e da seleção nacional. No início a mudança até deu resultado, mas na Eurocopa, a equipe fez uma péssima campanha: foi eliminada ainda na fase de grupos, sem vencer um jogo sequer.

Mesmo com a proximidade cada vez maior do Mundial, os russos seguem sem um comandante definido.

Quem ganha e quem perde

O ganho mais claro é da seleção brasileira. A diferença de nível – técnico, tático e intelectual – entre Tite e Dunga é absurda. O melhor comandante do Brasil nesta década chega à seleção com o apoio popular. Tite apresenta as credenciais necessárias para um bom trabalho. E, após a passagem de Dunga, não será tão difícil melhorar alguma coisa.

A perda mais significativa, por outro lado, é da Azzurra. A Itália perde um treinador que vai além do campo. Se Conte é muito bom taticamente, também tem uma ótima relação com o grupo e o carisma para lidar com a torcida. Apesar de experiente e do bom trabalho no Torino, Ventura não passa a mesma confiança do seu antecessor.

Boas opções no mercado

Dez treinadores sem emprego no momento, que seriam opções para as seleções que procuram técnicos:

Marcelo Bielsa; Tata Martino; Guus Hiddink; Manuel Pellegrini; Louis van Gaal; Roberto Martínez; Rudi Garcia; Joaquín Caparrós; David Moyes e Laurent Blanc.

Fonte: Guia da Bola


Futebol no Mineirão: confira no calendário do Rio 2016 horários e ingressos para as partidas em Belo Horizonte

Jogo de campeonato importante na capital mineira é promessa de muita bola na rede 
Foto: Robert Cianflone/Getty Images

22/07/2016

Jogos Olímpicos marcam a volta da Alemanha ao estádio depois do 7 a 1 e recebe as tetracampeães Olímpicas dos Estados Unidos

Se o Mineirão mantiver nos Jogos Olímpicos a mística que pairou sobre Belo Horizonte na Copa do Mundo de 2014, o torneio de futebol do Rio 2016 terá partidas inesquecíveis na capital mineira. Pronto para receber mais uma vez as melhores seleções do mundo, o estádio com capacidade para mais de 60 mil torcedores já está no clima dos Jogos Olímpicos. 

Confira horários e ingressos de cada partida no Mineirão: 



Um Mineirão de histórias 

Um dos principais estádios do Brasil, o Mineirão tem 50 anos de história. O Gigante da Pampulha, como é conhecido, foi inaugurado em 1965 com o jogo entre a Seleção Mineira e o clube argentino River Plate. Buglê, jogador do Atlético-MG, fez o gol da vitória para o time de Minas Gerais. 

De 1965 até hoje, o estádio já coroou três campeões da Libertadores da América: o Atlético-MG, o Cruzeiro e o Estudiantes (da Argentina). Também sediou uma final do Mundial Interclubes, em 1976: o empate em 0 a 0 deu o título ao Bayern de Munique sobre os cruzeirenses. 

O jogo mais emblemático do estádio, no entanto, é uma grande decepção para o futebol brasileiro. Os gritos de “gol da Alemanha”, na semifinal da Copa do Mundo 2014 contra o Brasil, pareciam não ter fim. O placar de 7 a 1 entrou para a história. E o reencontro da seleção alemã com o palco da goleada acontece em 10 de agosto, nos Jogos Olímpicos Rio 2016. 

Destaques do torneio Olímpico no Mineirão 

No feminino 

Estados Unidos x Nova Zelândia

A favorita seleção americana, de Carli Lloyd e companhia, faz a sua estreia na competição do Rio 2016 no Mineirão. Atual campeã mundial, os Estados Unidos venceram quatro dos cinco torneios Olímpicos disputados até aqui. E, quando não venceu, ficou com a prata, nos Jogos Sydney 2000. No Rio 2016, o primeiro adversário é a Nova Zelândia, seleção hegemônica na Oceania. 

França x Colômbia

A seleção da França é uma força emergente no futebol feminino. Em Londres 2012, chegou perto do pódio: perdeu por 2 a 1 para as japonesas na semifinal. A torcida, porém, deve estar a favor da equipe da Colômbia, que tenta sua primeira vitória em Jogos Olímpicos depois de sofrer três derrotas em Londres 2012 - uma delas foi para a própria França, por 1 a 0. 

Estados Unidos x França

As duas seleções se enfrentaram na estreia de ambas nos Jogos Londres 2012, e as americanas levaram a melhor com a vitória por 4 a 2. No Mineirão, a França tem a oportunidade da revanche, dessa vez na segunda rodada da fase de grupos. 

França busca revanche contra as favoritas americanas na primeira fase 
dos Jogos (Foto: Getty Images/Stanley Chou) 

Colômbia x Nova Zelândia

As duas seleções se enfrentam pela primeira vez em Jogos Olímpicos - e a estreia pode ser decisiva. As equipes podem chegar a essa partida precisando da vitória para se manter vivas na competição. 

1º do grupo E x 3º do grupo F ou G

Caso confirme o favoritismo, o Brasil deve disputar as quartas-de-final no Mineirão. Canadá, Austrália, França e Colômbia são as possíveis adversárias. 

Semifinal

Nesta fase, a expectativa aumenta. Caso confirme o favoritismo, a Alemanha estará mais uma vez no Mineirão. E tem como possíveis adversárias as seleções do Canadá, Suécia e China. 

No masculino 

Argélia x Portugal

Depois de surpreender na Copa do Mundo em 2014, a Argélia volta ao Mineirão. Dessa vez enfrenta a seleção de Portugal. Na contramão, os portugueses querem se redimir de uma atuação decepcionante na Copa. 

Alemanha x Fiji

O jogo marca o retorno da seleção alemã ao gramado do Mineirão após o histórico 7 a 1 contra o Brasil. A expectativa é de mais uma goleada contra a estreante Fiji - que deve contar com o apoio em peso da torcida brasileira. 

Alemanha x Fiji marca o retorno da seleção alemã ao Mineirão depois do histórico 7 a 1 
Foto: Getty Images/Buda Mendes

1º do grupo C x 2º do grupo D

Se for a líder do grupo C, como se espera, a seleção masculina da Alemanha volta ao Mineirão para as quartas-de-final. E para enfrentar uma pedreira: Portugal e Argentina devem brigar pelas duas primeiras posições do grupo D. 

Disputa pelo bronze

A tradição em torneios de futebol dos Jogos mostra que essa é sempre uma partida concorrida: a disputa pelo terceiro lugar, que vale a medalha de bronze Olímpica, promete ser intensa no Mineirão.

Fonte: RIO2016


OLIMPÍADAS 2016 - TABELA DO FUTEBOL MASCULINO




GRUPO A

IRAQUE × DINAMARCA, Mané Garrincha, Brasília (DF)
1ª Rodada, Seg 4 Ago, 13 horas

BRASIL × ÁFRICA DO SUL, Mané Garrincha, Brasília (DF)
1ª Rodada, Seg 4.Ago, 16 horas

DINAMARCA × ÁFRICA DO SUL, Mané Garrincha, Brasília (DF)
2ª Rodada, Qui 7 Ago, 13 horas

BRASIL × IRAQUE, Mané Garrincha, Brasília (DF)
2ª Rodada, Qui 7.Ago, 16 horas

DINAMARCA × BRASIL, Fonte Nova, Salvador (BA)
3ª Rodada, Dom 10.Ago, 22 horas

ÁFRICA DO SUL × IRAQUE, Arena Corinthians, São Paulo (SP)
3ª Rodada, Dom 10.Ago, 22 horas

GRUPO B

SUÉCIA × COLÔMBIA, Arena Amazônia, Manaus (AM)
1ª Rodada, Seg 4.Ago, 18 horas

NIGÉRIA × JAPÃO, Arena Amazônia, Manaus (AM)
1ª Rodada, Seg 4.Ago, 21 horas

SUÉCIA × NIGÉRIA, Arena Amazônia, Manaus (AM)
2ª Rodada, Qui 7.Ago, 18 horas

JAPÃO × COLÔMBIA, Arena Amazônia, Manaus (AM)
2ª Rodada, Qui 7.Ago, 21 horas

JAPÃO × SUÉCIA, Fonte Nova, Salvador (BA)
3ª Rodada, Dom 10.Ago, 19 horas

COLÔMBIA × NIGÉRIA, Arena Corinthians, São Paulo (SP)
3ª Rodada, Dom 10.Ago, 19 horas

GRUPO C

FIJI × COREIA DO SUL, Fonte Nova, Salvador (BA)
1ª Rodada, Seg 4.Ago, 17 horas

MÉXICO × ALEMANHA, Fonte Nova, Salvador (BA)
1ª Rodada, Seg 4.Ago, 20 horas

FIJI × MÉXICO, Fonte Nova, Salvador (BA)
2ª Rodada, Qui 7.Ago, 17 horas

ALEMANHA × COREIA DO SUL, Fonte Nova, Salvador (BA)
2ª Rodada, Qui 7.Ago, 20 horas

ALEMANHA × FIJI, Mineirão, Belo Horizonte (MG)
3ª Rodada, Dom 10.Ago, 16 horas

COREIA DO SUL × MÉXICO, Mané Garrincha, Brasília (DF)
3ª Rodada, Dom 10.Ago, 16 horas

GRUPO D

HONDURAS × ARGÉLIA, Nilton Santos, Rio de Janeiro (RJ)
1ª Rodada, Seg 4.Ago, 15 horas

PORTUGAL × SELEÇÃO D4, Nilton Santos, Rio de Janeiro (RJ)
1ª Rodada, Seg 4.Ago, 18 horas

HONDURAS × PORTUGAL, Nilton Santos, Rio de Janeiro (RJ)
2ª Rodada, Qui 7.Ago, 15 horas

ALEMANHA × ARGÉLIA, Nilton Santos, Rio de Janeiro (RJ)
2ª Rodada, Qui 7.Ago, 18 horas

ARGÉLIA × PORTUGAL, Mineirão, Belo Horizonte (MG)
3ª Rodada, Dom 10.Ago, 13 horas

ARGENTINA × HONDURAS, Mané Garrincha, Brasília (DF)
3ª Rodada, Dom 10.Ago, 13 horas

QUARTAS DE FINAL

#1 DO GRUPO D × #2 DO GRUPO C, Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Jogo 25, Sáb 13.Ago, 13 horas

#1 DO GRUPO B × #2 DO GRUPO A, Fonte Nova, Salvador (BA)
Jogo 26, Sáb 13.Ago, 16 horas

#1 DO GRUPO C × #2 DO GRUPO D, Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Jogo 27, Sáb 13.Ago, 19 horas

#1 DO GRUPO A × #2 DO GRUPO B, Arena Corinthians, São Paulo (SP)
Jogo 28, Sáb 13.Ago, 22 horas

SEMIFINAIS

VENCEDOR JOGO 26 × VENCEDOR JOGO 27, Arena Corinthians, São Paulo (SP)
Semi 1, Qua 17.Ago, 13 horas

VENCEDOR JOGO 28 × VENCEDOR JOGO 25, Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Semi 2, Qua 17.Ago, 16 horas

MEDALHA DE BRONZE

PERDEDOR SEMI 1 × PERDEDOR SEMI 2, Mineirão, Belo Horizonte (MG)
Disputa do Terceiro Lugar, Sáb 20.Ago, 13 horas

MEDALHA DE OURO

VENCEDOR SEMI 1 × VENCEDOR SEMI 2, Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Decisão Olímpica, Sáb 20.Ago, 17:30h


Justiça suspende a venda de ingressos da partida Brasil X Colômbia em Manaus

Foto: Aguilar Abecassis/Arquivo AC

22/07/2016

Magistrada atendeu a um pedido do Ministério Público, que considerou abusivo o preço cobrado pelo jogo, válido pelas eliminatórias da Copa 2018. CBF foi intimada a se apresentar em audiência

Representantes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) deverão se apresentar à Justiça em Manaus na próxima segunda-feira (25), às 10h, para uma audiência de conciliação com o Ministério Público do Estado (MP-AM). A decisão é da juíza Mônica Cristina Raposo da Câmara Chaves do Carmo, da 11ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), que suspendeu liminarmente a venda de ingressos a partida entre a seleção brasileira e a da Colômbia, válida pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, que deve ser realizada no dia 6  de setembro, na Arena da Amazônia.

A magistrada acatou pedido liminar ingressado pelo procurador Otávio Gomes, titular da da 51ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa do Consumidor do MP-AM, na última terça-feira (19).



A magistrada também acatou outros pedidos liminares do MP-AM e limitou a taxa de conveniência em R$ 16,50, sob pena de multa diária de R$ 30 mil no caso de descumprimento.

A juíza também concedeu liminar e as cadeiras terão que ser numeradas de acordo com os ingressos. Ela também determinou a troca dos ingressos vendidos e, na sequência, a emissão de novos ingressos já com a numeração correspondente às cadeiras, tudo sob pena de multa diária de R$ 50 mil no caso de descumprimento.

O procurador Otávio Gomes considerou uma vitória a decisão liminar e disse que vai acompanhar o desenrolar do caso.

Preços cobrados e comparativo

Várias reclamações foram recebidas pelo MP-AM por conta dos altos valores cobrados pelos ingressos frente aos preços praticados pela CBF em outras capitais para jogos da seleção do Brasil nas eliminatórias da Copa. Em alguns casos, o valor do ingresso cobrado na Arena da Amazônia chega a ser até 261,5% mais caro do quem em outras arenas que sediaram jogos do Brasil na mesma competição, como é o caso do estádio Castelão, em Fortaleza. Em Manaus, a cadeira superior (inteira) custa R$253,00,  já na Arena Castelão, em Fortaleza, o ingesso na arquibancada superior (inteira) custa R$ 70,00, a diferença chega a 261,5%. Na Arena da Amazônia, a cadeira inferior (inteira) custa R$299,00. No Castelão, o lugar na arquibancada inferior (inteira) sai a R$100,00.   

Fonte: A Crítica


Árbitro de Copa do Mundo e Olimpíada vai apitar Paysandu x CRB

Sandro Meira Ricci vai apitar duelo pela 17ª rodada da Série B
Foto: Gazetapress

22/07/2016

Sandro Meira Ricci estará à frente da partida do próximo sábado, em Belém, pela Série B do Brasileiro  

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) já divulgou a escala de arbitragem para os jogos deste final de semana pela Série B do Campeonato Brasileiro. E para o duelo entre Paysandu e CRB, com início às 21h do próximo sábado (23), em Belém do Pará, o comando da partida estará a cargo de um árbitro Fifa, com atuação em jogos válidos por Copa do Mundo e Olimpíadas.

É que o homem do apito será o mineiro Sandro Meira Ricci - este será seu primeiro jogo pela Segundona neste ano. Ele será auxiliado pelos paulistas Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse, ambos também do quadro internacional.

Sandro Meira Ricci, de 41 anos, é funcionário público e fará a sua nona partida na temporada. Este ano, o árbitro - que esteve na final do Mundial Interclubes de 2013 - também já apitou jogos da Série A do Brasileiro e da Libertadores da América. 

Sandro integrou o quadro de arbitragem na Copa do Mundo do Brasil, em 2014, e na Copa América deste ano, nos Estados Unidos. Ricci será o único árbitro brasileiro a apitar na Olimpíada do Rio de Janeiro e na Copa do Mundo de 2018, na Rússia. 

Paysandu e CRB vão se enfrentar pela 17ª rodada da Segunda Divisão. O Papão está em 15º lugar, com 20 pontos, e vai entrar em campo pressionado, já que vem de cinco empates seguidos - todos com o placar de 0x0. Já o Galo, que segue na vice-liderança, com 31 pontos, vai lutar por mais uma vitória fora de casa para tentar superar o líder Vasco.

Fonte: Gazetaweb


“Esperamos que os russos não mudem planos de vir ao Rio”

Seja Dilma ou Temer, contatos com Rússia serão mantidos, diz embaixador 
Foto:Vladímir Pesnia/RIA Nôvosti

22/07/2016

Em entrevista, embaixador do Brasil na Rússia, Antônio Guerreiro, fala sobre doping, segurança nas Olimpíadas, compra de armamento russo e futuro do país no Brics.

Em breve começarão os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro. A seleção de atletismo russa foi afastada de competições internacionais pela Iaaf devido a um escândalo de doping. O senhor acredita que a ausência de atletas russos será uma perda para os Jogos?

Antônio Guerreiro: Eu, pessoalmente, lamento muito que essa situação tenha acontecido. Todos nós sabemos que a Rússia é uma grande potência esportiva e que tem experiência considerável nos Jogos Olímpicos, incluindo vitórias no atletismo. Por isso, a participação limitada de esportistas russos em quaisquer competições é, sem dúvida, uma perda para o esporte mundial. Por outro lado, quero salientar que o Brasil está esperando ansiosamente a chegada de grande número de turistas russos. Tenho expectativa de que os russos que já planejaram a visita ao nosso país não mudem seus planos de vir para os Jogos, tanto ao Rio como para outras cidades que vão sediar competições.

Quantos torcedores russos são esperados no evento? O senhor considera que a ausência de alguns atletas russos provocará queda de interesse em competições e diminuição do número de visitantes em geral?

É bastante difícil prever o número de turistas e torcedores russos que visitarão o Brasil. É preciso lembrar que os cidadãos russos não precisam de vistos para visitar o Brasil durante 90 dias como turistas. Por isso, espera-se um grande fluxo turístico, mas ninguém pode dar cifras exatas. Em geral, estamos esperando pelo menos 500 mil visitantes estrangeiros, mas a quantidade pode chegar a 1 milhão. As competições acontecerão não só no Rio de Janeiro, mas também em outras cinco cidades. Estamos esperando turistas em cada uma delas e nos preparando para tal.

A saltadora em distância Daria Klíchina é a única representante do atletismo russo que recebeu a permissão da Iaaf para participar dos Jogos Olímpicos. Ela agradeceu à Iaaf por essa decisão, o que provocou uma onda de crítica e acusações por sua suposta falta de patriotismo. Qual sua opinião sobre a decisão da atleta?

Não posso avaliar nem comentar a decisão da atleta. Cada um tem responsabilidade por si mesmo. Eu entendo tanto sua decisão, assim como as eventuais críticas.

Às vésperas dos Jogos Olímpicos, o Estado do Rio de Janeiro está quase a ponto de colapso financeiro, não? Há boatos de que faltam recursos financeiros para garantir a segurança no evento. O senhor acredita que a segurança antiterrorista estaria sob risco?

Quero destacar que nos últimos anos o Estado do Rio de Janeiro recebeu muitas receitas orçamentárias vendendo petróleo. Quando os preços mundiais caíram, as receitas estaduais também diminuíram. Essa situação influenciou todos os aspetos de vida social, incluindo as áreas de educação, saúde e também segurança. A garantia de segurança é uma responsabilidade direta das autoridades estaduais, e não de prefeituras e municípios. Claro que a situação no Estado está bastante complicada, mas não creio que exista alguma ameaça para os participantes dos Jogos, porque, nessas circunstâncias, o Estado recebe ajuda por parte do governo federal. Estou certo que os organizadores dos Jogos garantirão o clima de hospitalidade e segurança absoluta para todos os participantes. Se lembrarmos da Copa do Mundo de 2014, sempre existem pessoas que gostam de fazer previsões catastróficas. A Copa foi realizada em um território mais amplo de que a Olimpíada agora. Naquele momento, também houve uma onda de comentários sobre eventual criminalidade, situação sanitária, logística e infraestrutura mal planejada. Mas, após o evento, mesmo os críticos mais ferrenhos reconheceram o sucesso da Copa.

O Brasil coopera com os serviços especiais russos na área de segurança? Está sendo levada em conta a experiência russa na realização dos Jogos Olímpicos de Inverno em Sôtchi?

É verdade que os nossos países têm muito em comum para a troca de experiência mútua. Enquanto a Rússia realizou os Jogos Olímpicos em Sôtchi, nós sediamos a Copa do Mundo. Agora, a situação se inverteu. O Brasil tem a Olimpíada, e a Rússia está se preparando para a Copa de 2018. Por isso, temos muito o que discutir e compartilhar. Eu sei que representantes dos serviços de segurança brasileiros visitaram várias vezes a Rússia, incluindo a infraestrutura olímpica e de transporte. Um dos focos foi na experiência de organização do sistema de segurança nos aeroportos de Moscou.

Alguns esportistas recusaram-se a participar dos Jogos Olímpicos porque têm medo do vírus da zika. Como o senhor avalia esses receios? Existe um risco real de os participantes dos Jogos serem infectados?

Respeito a decisão de cada atleta. Mas, quando falamos sobre a probabilidade geral de infecção pelo vírus da zika, percebo que as explicações para a sociedade internacional não foram suficientes. Queria sublinhar mais uma vez alguns fatores para afastar o medo. Primeiro, a região principal de difusão do vírus é o nordeste do país, não o Estado do Rio de Janeiro. Segundo, o principal grupo de risco são as mulheres grávidas. Evidentemente, mulheres grávidas não são aconselhadas a vir aos Jogos Olímpicos. Terceiro, estamos na época de inverno no hemisfério Sul. Este inverno tem sido bastante frio, do ponto de vista brasileiro, por isso, o número de mosquitos transmissores já caiu consideravelmente.

Armamento e tecnologia

Houve diversas declarações de que a Rússia estaria pronta para o fornecimento ao Brasil do sistema antiaéreo Pantsir-S1, mas esta decisão vem sendo adiada por motivos políticos e econômicos. O Brasil planeja adquiri-los? O senhor acredita que a assinatura do contrato será possível depois das Olimpíadas? E a opção de produzi-lo em território brasileiro?

Posso dizer que não se pode esperar a aquisição do Pantsir-S1 antes dos Jogos. Não é segredo que a economia brasileira demonstrou uma queda bastante séria no ano passado. Esperamos que neste ano a situação melhore. Mas é evidente que, por causa da diminuição da taxa de crescimento econômico, as receitas do governo federal também diminuíram. É claro que a queda das receitas do orçamento influenciou a redução de verbas destinadas ao Ministério da Defesa. O interesse de comprar o sistema Pantsir-S1 se mantém, como comprovam as visitas reiteradas de representantes de nossas Forças Armadas à Rússia. Espero que essas negociações sejam concluídas de maneira positiva. Neste momento, não posso responder à pergunta sobre eventuais prazos e outros detalhes de aquisição. Penso que agora ninguém poderá dar uma resposta precisa porque, além de problemas econômicos, o país também está enfrentando dificuldades políticas.

A Rússia frequentemente prefere produções conjuntas e transferência de tecnologia à simples venda de armamentos. O Brasil pretende desenvolver a cooperação nesse sentido e produzir materiais bélicos russos localmente?

Os primeiros passos nesse sentido já foram tomados. No caso dos helicópteros Mi-35, as partes já chegaram a acordo sobre a manutenção técnica. Pelo acordo, seria possível produzir alguns componentes no Brasil.

Companhias de petróleo russas também mostram interesse em participar de projetos brasileiros no setor. Há negociações hoje com alguma empresa russa?

O interesse da parte de companhias russas se mantém e está sobretudo focado na bacia do rio Solimões, na Amazônia.

Brics e contatos bilaterais

Levando em conta a atual situação política no Brasil, existe indicação de quem irá representar o país na Cúpula do Brics em Goa, em outubro? Há planos de uma reunião bilateral com o presidente russo Vladímir Pútin?

Quem vai representar o Brasil na cúpula depende da decisão de quem será o presidente. A segunda fase da análise das acusações no processo de impeachment de Dilma Rousseff deve ser concluída no Senado em agosto. Por isso, vamos esperar o que eles decidirão. De qualquer modo, posso dizer com certeza que, independentemente da figura que ocupará o cargo do Chefe de Estado – Dilma Rousseff ou Michel Temer –, ambos estão interessados em manter relações amistosas com a Federação Russa.

O presidente interino Michel Temer visitou a Rússia antes, inclusive sua última visita foi no ano passado, quando participou de encontros em Moscou com o primeiro-ministro Dmítri Medvedev. Estou certo de que, independentemente do futuro político no Brasil, os laços com a Rússia continuarão a ser desenvolvidos de maneira positiva. Com referência a um eventual encontro com Vladímir Pútin, incluindo no âmbito do Brics, posso dizer que encontros bilaterais são um formato habitual. Haverá, com certeza, encontros entre os líderes. Quem exatamente irá encontrar Pútin, o tempo dirá.

Já existe alguma reunião planejada entre chefes diplomáticos do Brasil e da Rússia?

A opção mais próxima possível será à margem da Assembleia Geral da ONU.

Fonte: Gazeta Russa


Atletismo russo está definitivamente excluído dos Jogos do Rio

Elena Isinbayeva não virá ao Rio de Janeiro
Comitê Russo
22/07/2016

"Lamento essa decisão", declarou o ministro dos Esportes da Rússia, Vitaly Mutko, acusado de liderar o esquema de doping

A Rússia está definitivamente fora das provas do atletismo dos Jogos Olímpicos no Rio. Nesta quinta-feira, a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) negou o recurso apresentado por 68 atletas russos que se diziam "injustiçados" pela suspensão à toda a delegação imposta pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF). Com a decisão, atletas como Yelena Isinbayeva ficam impedidas de competir no Brasil sob a bandeira do país.

A decisão também reforça a possibilidade de o Comitê Olímpico Internacional (COI) se inclinar a banir toda a delegação russa em todos os esportes. Uma decisão é aguardada para a partir de domingo. Mas o governo de Moscou já admite que a sentença desta quinta-feira abre um precedente para o fim dos sonhos russos no Brasil.

"Lamento essa decisão", declarou o ministro dos Esportes da Rússia, Vitaly Mutko, acusado de liderar o esquema de doping. "Infelizmente, um certo precedente foi estabelecido para uma responsabilidade coletiva", disse. Segundo ele, Moscou vai agora avaliar a situação. Mas, em um tom de ameaça, alertou que a situação "não poderia continuar como está".

Vladimir Putin, presidente russo, já havia alertado que uma suspensão ameaçaria criar um "racha" no movimento olímpico. Já Isinbayeva classificou a decisão como "um funeral para o atletismo". Há um mês, a Agência Mundial Antidoping (Wada) havia publicado um informe em que revelava como treinadores e dirigentes russos organizaram um programa de doping no atletismo com o conhecimento e coordenação do Ministério dos Esportes.

Como punição, a IAAF anunciou o afastamento dos russos de todas as competições internacionais, inclusive o Rio-2016. Apenas uma brecha foi deixada para que atletas pudessem solicitar que seus casos fossem individualmente avaliados. Para que um esportista fosse aceito, ele teria de provar que se preparou em outro país e esteve sujeito aos controles de doping de fora da Rússia.

Das dezenas de pedidos de revisão, a IAAF aceitou, até agora, apenas dois casos. Um deles, porém, era de Yuliya Stepanova, que revelou o escândalo de doping e que se mudou para a Alemanha. Ainda assim, ela irá competir sob "bandeira neutra". Inconformados, os atletas escolhidos para os Jogos entraram com um recurso na CAS, liderados por Isinbayeva. Nesta quinta-feira, porém, a corte manteve a suspensão. A decisão foi tomada de forma unânime pelos juízes Luigi Fumagalli, Jeffrey G. Benz e James Robert Reid.

"O tribunal confirmou que atletas russos estão impedidos de ser nomeados para o evento", indicou a corte. A decisão foi aplaudida pela IAAF. "A corte apoiou nossa posição contra o doping", disse a entidade. Mas seu presidente, Sebastian Coe, admitiu o gosto amargo em expulsar uma das principais potências olímpicas da competição.

"Esse não é um dia para declarações triunfantes. Não vim a esse esporte para impedir atletas em competições", disse. "Para além do Rio, vamos trabalhar para criar um ambiente seguro para os atletas para que possam voltar às competições internacionais", declarou Coe.

PRECEDENTE

Se a decisão já seria um golpe duro contra os russos, analistas apontam que o veredicto da corte pode abrir caminho para uma suspensão ainda maior. A Wada pediu que o COI impeça que todos os atletas russos estejam no Rio, depois que um informe nesta semana revelou que mais de 20 modalidades esportivas foram afetadas por um esquema doping com a participação direta do governo de Moscou.

Pressionado, o COI anunciou que iria avaliar a questão. Mas que primeiro iria aguardar para ver qual seria a decisão da CAS relativa ao atletismo. O temor da entidade era de que uma suspensão generalizada fosse considerada ilegal, tendo de reverter depois a decisão.

Com o sinal verde da corte, a pressão cresce para que o COI siga a mesma posição em todos os demais esportes. Na quarta-feira pela noite, o presidente do COI, Thomas Bach, recebeu uma carta assinada por 14 potências olímpicas pedindo que a Rússia fosse excluída do Rio. Uma decisão final sairá a partir de domingo.

Escândalo de doping chega ao futebol e pressiona Fifa

O escândalo de doping organizado pelo governo da Rússia chega até o futebol, coloca sérias dúvidas sobre os organizadores da Copa do Mundo de 2018 e joga por terra o discurso da Fifa de que o doping no esporte mais popular do mundo não é relevante.

Documentos obtidos pelo jornal O Estado de S.Paulo e que foram usados no relatório da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) apontam que, entre 2011 e 2016, pelo menos 13 jogadores pegos em testes de doping na Rússia foram protegidos e seus exames foram trocados por testes limpos.

De acordo com os documentos, o esquema no futebol foi coordenado pelo próprio ministro dos Esportes, Vitaly Mutko, que é um dos membros do Conselho da Fifa, além de acumular a função de organizador da Copa do Mundo de 2018 e de presidente da Federação Russa de Futebol.

A revelação coloca pressão sobre a Fifa. A entidade garante que irá examinar a situação, mas, até que os documentos da Wada sejam transmitidos, nenhum processo será aberto.

A Fifa afirmou que não seria direcionada a ela uma ordem do Comitê Olímpico Internacional (COI) para que todas as federações esportivas retirem a Rússia de torneios internacionais. Em 2017, o país será a sede da Copa das Confederações e, em 2018, a Copa do Mundo.

Em mais de 100 páginas do documento da Wada, Vitaly Mutko é citado em mais de 20 vezes. Mas, para o presidente Vladimir Putin, não há motivo para suspendê-lo. “Mutko não é mencionado como autor”, disse o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov. Velho aliado de Putin, Mutko ajudou o atual presidente a organizar o primeiro evento internacional (Jogos da Boa Vontade) após o fim da União Soviética, em 1994.

Fonte: iG


Ex-técnico do Porto, Lopetegui assume seleção de futebol da Espanha

Lopetegui e o Porto caíram ainda na fase de grupos da Liga dos Campeões e também 
falharam na corrida da Liga Europa, perdendo para o Borussia Dortmund logo na 
primeira fase (Foto: Francisco Leong/AFP)


22/07/2016

Treinador das seleções de base da Espanha entre 2010 e 2014, o ex-futebolista Julien Lopetegui foi anunciado nesta quinta-feira como novo técnico da seleção campeã mundial de 2010. A Fúria estava sem um comandante desde a saída de Vicente del Bosque após o fracasso na Eurocopa.

O técnico de 49 anos será oficialmente apresentado pela RFEF (Real Federação Espanhola de Futebol) ainda nesta quinta. Lopetegui foi demitido de seu cargo no Porto, de Portugal, em janeiro deste ano. Nos Dragões desde 2014, o treinador não obteve os resultados esperados nesta temporada e foi desvinculado do clube.

Lopetegui chega ao comando da Fúria para tentar levar novamente a equipe ao topo do futebol mundial após uma era de oito anos de Vicente del Bosque. O antigo treinador liderou a Espanha desde 2008, vencendo a Copa do Mundo de 2010 e a Eurocopa de 2012. Após a derrota para a Itália nas oitavas de final da Euro deste ano, Vicente deixou seu cargo.

Nas eliminatórias europeias para a Copa de 2018, a Espanha encabeça o grupo G, ao lado de Itália, Albânia, Israel, Liechtenstein e Macedônia. A primeira partida da equipe será no dia 5 de setembro, contra Liechtenstein.



Quem é quem? Conheça os 18 jogadores da Seleção Olímpica de futebol do Brasil

Uilson, William e Luan estão entre os convocados para os Jogos Rio 2016 que são menos conhecidos dos torcedores

18/07/2016  

Sob a batuta de Neymar, um time de garotos vai lutar pelo título que falta ao futebol brasileiro. Você conhece todos eles?

"O único título que falta ao futebol brasileiro": a frase já virou chavão nos Jogos Olímpicos. A próxima chance de conquistar a sonhada medalha de ouro pela seleção brasileira masculina está nos pés dos 18 jogadores convocados pelo técnico Rogério Micale – e que se apresentam nesta segunda-feira (18) para iniciar os treinos. 

Pela regra, apenas três jogadores acima de 23 anos podem ser convocados para a disputa masculina. Os escolhidos foram Fernando Prass, Renato Augusto e Neymar, nomes já comuns aos ouvidos brasileiros. Mas você conhece bem os outros convocados? Rio2016.com mostra um pouco dos atletas que vão buscar o título Olímpico nos gramados brasileiros: 

Goleiros 

Fernando Prass (Palmeiras)

Aos 38 anos, é o mais experiente da seleção Olímpica, apesar de nunca ter sido convocado antes. Jogou no União de Leiria, em Portugal, de 2005 a 2009 – ano em que voltou ao Brasil para defender o Vasco da Gama. Teve boa passagem pelo clube carioca e se consolidou como um dos melhores goleiros do país no Palmeiras, onde atua hoje. 

Uilson (Atlético-MG)

Formado nas categorias de base do Atlético-MG, Uilson teve boas participações nas seleções iniciantes do Brasil, com o título sul-americano sub-17 de 2011. Assume a titularidade no clube em casos de ausência do camisa 1, Victor, e é convocado com regularidade para os amistosos da seleção Olímpica. 

Laterais 

William (Internacional)

Gaúcho de Pelotas, tem 21 anos e começou a carreira como meio-campista. Nos times de base do Internacional, foi adaptado à lateral-direita e nunca mais largou a posição. Titular do clube gaúcho, é bicampeão estadual e teve seu contrato renovado até 2018. 

Douglas Santos (Atlético-MG)

O lateral-esquerdo titular do Atlético-MG é um dos jovens mais experientes do grupo. Aos 22 anos, Douglas Santos já atuou na Itália, pela Udinese, e foi convocado para a disputa da Copa América Centenário com a seleção principal. 

Zeca (Santos)

Nascido em Paranavaí, no Paraná, Zeca é desde os 11 anos um "menino da Vila", como são batizados os garotos revelados no Santos. Atua na lateral-esquerda, mas é ambidestro, o que pode significar boa vantagem em uma convocação com apenas 18 nomes. Bicampeão paulista, já marcou três gols com a camisa do time.

Zagueiros 

Rodrigo Caio (São Paulo)

Titular do São Paulo, Rodrigo Caio, de 22 anos, já fez mais de 150 jogos e tem oito gols anotados pelo Tricolor, time pelo qual foi campeão da Copa Sul-Americana de 2012. Versátil, pode atuar como zagueiro e volante. Na seleção, é convocado desde 2012 para as seleções de base e fez sua estreia na principal em 2016, no amistoso contra o Panamá. 

Luan (Vasco da Gama)

Titular do Vasco da Gama desde 2013, é bicampeão carioca e já marcou 9 gols. O capixaba é convocado para as seleções de base desde 2012 e foi o capitão do time na campanha do bronze dos Jogos Pan-Americanos Toronto 2015. 

Marquinhos (Paris Saint-Germain, da França)

É tão experiente que muitos se espantaram ao descobrir que ele tem "idade Olímpica" (menos de 23 anos). Aos 22, o zagueiro já atuou na Roma, em 2012, e é titular do Paris Saint-Germain, da França, desde 2013 – além de ser convocado com frequência para a seleção principal. Revelado no Corinthians, tem tudo para ser um dos líderes da equipe nos Jogos Rio 2016. 

Meias 

Thiago Maia (Santos)

Um dos mais jovens da seleção, aos 19 anos Thiago Maia já é campeão paulista e vice-campeão da Copa do Brasil pelo Santos. O roraimense de Boa Vista é volante e pode atuar tanto na contenção como ajudar na criação de jogadas. Foi uma das melhores revelações do futebol brasileiro em 2015. 

Rodrigo Dourado (Internacional)

Mais um bicampeão gaúcho pelo Internacional, Rodrigo Dourado é volante e tem 22 anos. Atua pelo profissional do clube desde 2012, com três gols marcados, e aparece nas seleções de base desde 2011. Foi chamado para o time Olímpico em março de 2016 e agarrou a oportunidade. 

Rafinha (Barcelona, da Espanha)

Rafael Alcântara, o Rafinha, de 23 anos, atua no clube mais vencedor dos últimos tempos. Está no Barcelona desde quando se mudou para a Europa, aos 13 anos. Defendeu a Espanha nas seleções de base, mas optou por jogar na seleção brasileira a partir do sub-20: "Sempre foi meu sonho", disse. Já marcou até gol pela seleção principal e foi convocado para a Copa América de 2016, mas acabou cortado por lesão. Tem o DNA da seleção: seu pai, Mazinho, esteve nos Jogos Seul 1988 e na Copa do Mundo de 1994. 

Felipe Anderson (Lazio, da Itália)

Formado pelo Coritiba, Felipe Anderson atuou no Santos de 2010 a 2013, onde se destacou com quatro títulos: Libertadores em 2011, Recopa Sul-Americana em 2012 e os estaduais de 2011 e 2012. Foi contratado pelo Lazio, da Itália, clube que defende até hoje. 

Renato Augusto (Beijing Ghouan, da China)

De pressão, Renato Augusto entende. Revelado pelo Flamengo e com passagem pelo Corinthians, o meia fez sucesso atuando pelos dois clubes de maior torcida no país. Hoje no futebol chinês, também já jogou pelo Bayer Leverkusen, da Alemanha. Na seleção principal, fez sua estreia em 2011 e se firmou como titular do meio-campo em 2015. Foi convocado após a contusão do atacante Douglas Costa. 

Wallace (Grêmio)

Convocado para suprir a ausência de Fred, do Shakhtar Donets (Ucrânia), que não foi liberado para os Jogos. Walace sabe como é ser chamado de última hora: foi assim na Copa América Centenário pela seleção principal, quando substituiu Luis Gustavo, lesionado. Volante, fez sua estreia no profissional em 2014, pelo Grêmio, em um clássico contra o Internacional em pleno Beira-Rio, lançado pelo técnico Felipão. Aos 21 anos, destro e com 1,88m de altura, foi apelidado de PogWalace pela torcida, em referência ao jogador francês Paul Pogba. 

Atacantes 

Neymar (Barcelona, da Espanha)

Aos 24 anos, já é um dos rostos mais conhecidos do esporte mundial. Tratado como "joia" desde os 11 anos, Neymar se destacou com a camisa do Santos e da seleção. Tem no currículo os principais títulos do mundo em clubes: Libertadores, Liga dos Campeões e Mundial. Pela seleção, ganhou uma prata Olímpica (Londres 2012) e o título da Copa das Confederações de 2013, conquistado no Maracanã. 

Luan (Grêmio)

Com 23 anos, é um dos principais jogadores do Grêmio. Com cinco gols em 12 jogos, está na lista de artilheiros do Brasileirão 2016. Teve um "destaque tardio" em 2014 e, por isso, não conta com muitas atuações pela seleções de base. Mas está pronto para mostrar seu valor ao lado dos melhores atacantes do país na seleção Olímpica. 

Gabriel Barbosa (Santos)

Tratado como "o sucessor de Neymar" no Santos, Gabriel Barbosa, o Gabigol, é um dos principais jogadores em atividade no país. Bicampeão paulista em 2015 e 2016, teve inúmeras convocações para as seleções de base. Fez sua estreia pela seleção principal em maio deste ano, com gol na vitória por 2 a 0 sobre o Panamá, e participou da Copa América de 2016. 

Gabriel Jesus (Palmeiras)

É uma das promessas do futebol brasileiro. Em 2015, aos 18 anos, foi campeão da Copa do Brasil e eleito a revelação do Brasileirão, atuando pelo Palmeiras. É convocado regularmente para as seleções de base e foi um dos destaques na campanha de prata do Mundial sub-20 de 2015. Está na mira do futebol europeu e pode mudar de clube em breve. 

Caminho rumo ao ouro 

A seleção enfrenta seis partidas até o sonhado título Olímpico. A estreia é contra a África do Sul, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, às 16h do dia 4 de agosto. No mesmo estádio, recebe o Iraque às 22h do dia 7 de agosto. A terceira partida tende a ser a mais complicada da primeira fase: encarar a Dinamarca, às 22h do dia 10 de agosto, na Arena Fonte Nova, em Salvador. 

Grupos Masculinos 


Fonte: Rio 2016


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...