HISTÓRIA DAS COPAS - 1930

Uruguai confirma a hegemonia

Não era uma missão fácil. América e Europa sofriam consequências da crise econômica de 1929, que causou desemprego em série e falências generalizadas, de empresas de pequeno porte a grandes bancos. O futebol, organizado oficialmente pela FIFA desde 1904, ainda engatinhava enquanto modalidade e não tinha nada similar a uma estrutura profissional.

Mas, se o cenário conjuntural não ajudava, escolher o Uruguai como sede fazia todo o sentido no âmbito esportivo. A equipe sul-americana venceu as edições de 1924 e 1928 dos Jogos Olímpicos, feito que justificou o rótulo de Celeste Olímpica, até hoje ostentado pela seleção uruguaia. Também ajudava, no plano simbólico, o fato de o Uruguai completar 100 anos de independência em 1930.

Com esse misto de argumento econômico e técnico, o congresso da FIFA realizado em Barcelona, em 1929, definiu que a primeira edição do Mundial no Uruguai. Na prática, houve um quê de improviso, na base do convite, sem eliminatórias. Apenas quatro equipes do Velho Continente toparam a empreitada de cruzar o Atlântico em navios, casos de França, Bélgica, Romênia e Iugoslávia. Completaram o torneio oito seleções sul-americanas, Estados Unidos e o México. O sorteio das chaves só foi definido quando todas as equipes já tinham chegado ao Uruguai. As partidas foram disputadas em apenas três estádios de uma única cidade, a capital Montevidéu.

Na final, no Estádio Centenário, com capacidade para 100 mil torcedores, Uruguai e Argentina mediram forças. Mesmo com desvantagem de 2 x 1 no intervalo, a Celeste levou o título com três gols na etapa final: 4 x 2. O presidente da FIFA, Jules Rimet, entregou ao capitão José Nazassi o troféu. O dia 31 de julho, data seguinte à decisão, foi declarado feriado nacional uruguaio.

Brasil coadjuvante

A estreia da Seleção Brasileira nos Mundiais exigiu uma viagem de 15 dias de navio e refletiu um racha entre dirigentes do Rio de Janeiro e de São Paulo. A comissão técnica da Confederação Brasileira de Desportos (CBD) foi montada sem a presença de integrantes da Associação Paulista de Esportes Atléticos. Em retaliação, São Paulo vetou a convocação de jogadores que atuavam no estado. Assim, nomes importantes na época, como Arthur Friedenreich, Feitiço e Armando Del Debbio não vestiram a camisa da seleção que atuou no Uruguai.

Aquém de seu potencial máximo e diante de um rigoroso frio no inverno uruguaio, a equipe nacional foi derrotada na estreia pela Iugoslávia, por 2 x 1. Coube a Preguinho a honra de marcar o primeiro gol brasileiro em mundiais. O revés diante dos europeus significou a eliminação do Brasil, já que a Iugoslávia bateu a Bolívia por 4 x 0 e apenas uma equipe seguia para a semifinal. A seleção se despediu do Uruguai com uma goleada de 4 x 0 contra a mesma Bolívia, com dois gols de Moderato e outros dois de Preguinho.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...