Rio Grande do Sul projeta injeção de R$ 503 milhões no PIB do estado durante o período da Copa

22/05/2014

Estimativa leva em conta o número de ingressos vendidos para torcedores de outros países e de fora do estado e a expectativa de gastos desses turistas durante o torneio

Os mais de 200 mil turistas que devem visitar o Rio Grande do Sul durante o período de jogos da Copa do Mundo deverão gastar cerca de R$ 360 milhões nos estabelecimentos comerciais e de serviços. A projeção é de que esse montante irá injetar R$ 503 milhões no Produto Interno Bruto (PIB) do Estado e R$ 36,4 milhões na arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), além de gerar 12,5 mil empregos diretos e indiretos.

É como se o estado tivesse um dia a mais no ano em PIB, comparam economistas da Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado (Fecomércio-RS) e da Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul (FEE). As estimativas têm como referência dados levantados pelo Ministério da Cultura e pela Fundação Getúlio Vargas sobre a receita verificada no Mundial realizado na África do Sul, em 2010.

Segundo o economista da Fecomércio Lucas Schifino, a projeção foi feita com base na extratificação do número de ingressos vendidos para torcedores de outros países e de fora do estado. “São mais de 80 mil ingressos para estrangeiros, que não virão sozinhos. Entre eles estarão muitos australianos, americanos e alemães, com renda média bem superior aos argentinos, que também estarão amplamente representados em Porto Alegre”, explica.

O cálculo de Schifino não é, segundo ele, otimista. “É uma estimativa bastante factível, pois no nosso estudo interessa a permanência diária de turistas. E acreditamos que, ao longo dos 16 dias da Copa no Estado, a capital, a região metropolitana e a Serra Gaúcha, com maior potencial turístico, receberão uma média de 25 mil a 30 mil turistas diários”, aponta o economista.

O impacto direto desse montante recairá positivamente sobre hotéis, bares, restaurantes, empresas de transporte, como locadoras de veículos, por exemplo, entre outros. “Tendo como base a Matriz de Insumo Produto do Rio Grande do Sul (ano base 2003), elaborada pela FEE, estimou-se o impacto direto dos gastos dos turistas na atividade do comércio, bem como os impactos indiretos relacionados ao aumento derivado da demanda em outros setores e da ampliação da renda”, diz o diretor técnico da FEE, André Luís Forti Scherer.

Na opinião de Scherer, os ganhos de produtividade com a melhor infraestrutura em Porto Alegre e os investimentos já ocorridos ao longo do tempo para a realização do evento amplificam o retorno potencial da realização da Copa 2014 na cidade. “Já quanto aos ganhos intangíveis, esses dependem, essencialmente, do bom andamento do evento no estado, que projetará uma imagem internacional que poderá ser capitalizada no longo prazo, tanto na maior atratividade de turistas quanto em um melhor conhecimento da potencialidade regional para possível incremento nos negócios”, completa André Luís.

Alta taxa de acomodação
Segundo o Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB), Porto Alegre já tem uma comercialização de 13 mil diárias para os dias de jogos e vésperas.  O jogo que tem mais reservas efetuadas ocorre no dia 18 de junto, entre Austrália e Holanda.

O presidente do FOHB, Roberto Rotter, calcula que a taxa de ocupação dos hotéis ainda cresça até a Copa do Mundo. “As taxas de ocupação, no Brasil, devem alcançar 65% até o início dos jogos. Nesse cenário, Porto Alegre está muito bem colocada, com 71% de ocupação. Esses números da capital gaúcha devem subir ainda mais quando forem definidos os jogos das oitavas de final. No dia 30 de junho, Porto Alegre sediará uma dessas partidas, portanto as taxas de ocupação para o dia do jogo e véspera devem ser ainda maiores, dependendo dos times envolvidos na partida, especialmente porque as taxas de ocupação estão diretamente ligadas à atratividade dos jogos”, diz Rotter.

As  irmãs  Miriam  (E)  e  Liliam,  sócias  na  administração  do  hostel 
Praia de Belas, comemoram a casa cheia ao sabor do típico chimarrão 
gaúcho (Foto: Claudio Medaglia/Portal da Copa)
Oportunidade única
Exemplo desse movimento de turistas na capital gaúcha é o Praia de Belas Hostel, com 16 leitos, aberto há dois meses no bairro Menino Deus. As irmãs Miriam Viegas Alves, graduada em Turismo, e Liliam Alves Fauth, formanda em Hotelaria, escolheram o ponto sem pensar na Copa, embora o Beira-Rio esteja localizado a cerca de dois quilômetros.

“Queríamos o sossego do bairro, que é muito bem localizado na configuração da cidade. Pensamos em atender estudantes da Pontifícia Universidade Católica (PUC) e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e acompanhantes de pacientes internados em hospitais, além dos transitórios. Mas ganhamos a Copa, que é transitória, de presente”, conta Miriam.

A oportunidade foi aproveitada por cerca de 80 viajantes de 16 países que já confirmaram reserva, com pagamento antecipado, para o período em que ocorrerão os jogos em Porto Alegre. “Vamos acomodar hóspedes da França e de Honduras simultaneamente, e as seleções desses dois países se enfrentam no dia 15 de junho. Mas temos certeza, pelo contato que já tivemos com eles, que será tranquilo”, garante Miriam.

Para ela, a experiência será equivalente a sediar um encontro da Organização das Nações Unidas. “Será uma confusão. Mas uma confusão gostosa”, pondera Liliam. Para o período, o preço da hospedagem dobrou, passando dos usuais R$ 50 para R$ 100. Além do café da manhã, elas planejam oferecer sanduíches e sopa, ao final do dia. O cardápio do almoço, aberto ao público, é variado.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...